Depois de há dois dias ter ficado a cinco centésimos do registo da dinamarquesa Rikke Möller Pederson, que tinha a melhor marca de sempre desde 01 de agosto de 2013, com 2.19,11 minutos, Schoenmaker ‘arrasou-o’ agora por 16 centésimos na final.

Depois da prata nos 100 metros bruços, a sul-africana ganhou o ouro nos 200 em 2.18,95 minutos, sendo secundada por duas norte-americanas: já bronze no hectómetro, Lilly King foi segunda, em 2.19,92, e Annie Lazer terceira, em 2.20,84.

Na outra final feminina do dia, a australiana Ema McKeon somou o segundo ouro em Tóquio2020, depois do triunfo nos 4x100 metros livres, ao ganhar a distância individual em 51,96 segundos.

McKeon melhorou o recorde olímpico, que já batera há dois dias, com 52,13 segundos, mas ficou longe da melhor marca de sempre, da sueca Sarah Sjöström (51,71, em 23 de julho de 2017).

Siobhan Bernardete Haughey, de Honk Kong, foi segunda, em 52,27 segundos, recorde da Ásia, repetindo a prata conquistada nos 200 metros livres, atrás de Ariarne Titmus, enquanto, com 52,52, a australiana Cate Campbell levou o bronze, após o ouro nos 4x100.

No setor masculino, destaque para o russo Evgeny Rylov, que fez o pleno da disciplina de costas, ao vencer os 200 metros, com um recorde olímpico de 1.53,27 minutos, depois do triunfo nos 100, sendo que também arrebatou a prata nos 4x200 livres.

O norte-americano Ryan Murphy, campeão olímpico no Rio2016, onde Rylov foi terceiro, teve de contentar-se com o segundo lugar, em 1.54,15 minutos, enquanto o bronze foi para o britânico Luke Greenbank, em 1.54,72.

Nos 200 metros estilos, o chinês Wang Shun, que tinha sido terceiro classificado no Brasil, há cinco anos, consagrou-se como sucessor do norte-americano Michael Phelps, ao vencer a final com o registo de 1.55,00 minutos.

O britânico Duncan Scott ficou com a prata, em 1.55,28 minutos, e o suíço Jeremy Desplanches com o bronze, em 1.56,17.

Os Estados Unidos não conquistaram qualquer título, mas Caeleb Dressler, já de ouro nos 100 metros livres e nos 4x100 livres, mostrou que está pronto para novo título, ao bater o recorde olímpico dos 100 mariposa nas ‘meias’, com 49,71 segundos.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.