Futebol

29-11-2016 23:11

FC Porto volta a empatar com o Belenenses, desta vez na Taça da Liga

Crise de golos e fracas exibições (coletiva e individuais) começam a preocupar os adeptos do FC Porto. Belenenses jogou toda a segunda parte com dez elementos.
Felipe celebra um golo que foi anulado
Foto: ESTELA SILVA/LUSA

Felipe celebra um golo que foi anulado

Por João Agre sapodesporto@sapo.pt

O FC Porto voltou a empatar, esta terça-feira, sem golos com o Belenenses, desta vez numa partida a contar para a primeira jornada do Grupo B da Taça da Liga.

As duas equipas juntaram-se à onda de solidariedade em torno do Chapecoense e restantes vítimas e respeitaram o minuto de silêncio antes da partida. O avião em que viajava a equipa de futebol brasileira para disputar a ida à final da Copa Sul-Americana, contra o Atlético Nacional, despenhou-se na noite de segunda-feira perto do aeroporto de Medellín, com 81 pessoas a bordo, das quais apenas seis sobreviveram.

Nuno Espírito Santo fez uma revolução no onze portista, mantendo apenas a dupla de centrais, em relação à equipa que empatou no sábado com este mesmo adversário, mas para o campeonato. Destaque para a estreia em absoluto de Inácio, lateral esquerdo da equipa B e que veio para o FC Porto no negócio da venda de Maicon ao São Paulo. Varela foi lateral direito, Depoitre e Brahimi foram titulares no ataque.

O FC Porto tentou pegar no jogo, mas o Belenenses ia dando luta no miolo, não dando muito espaço para os Dragões jogarem.

Aos 29 minutos surgiu o lance da polémica, tendo sido anulado um golo ao FC Porto. Brahimi levantou a bola para a área, na marcação do livre, e Filipe fugiu à marcação e desviou de cabeça para o fundo das redes. O lance foi invalidado por fora de jogo do brasileiro.

Já perto do intervalo, o árbitro Nuno Almeida expulsou Benny, com cartão vermelho direto, depois de uma entrada dura do jogador do Belenenses sobre Rúben Neves, deixando a equipa lisboeta reduzida a dez elementos.

No segundo tempo, o FC Porto voltou a mostrar muitas dificuldades em pegar na partida e jogadores como Varela e Depoitre não iam ajudando às ambições da equipa portista, mostrando lentidão e errando quase sempre que tocavam na bola. Nuno Espírito Santo percebeu e substitui-os por Adrian e o jovem Rui Pedro. Mais tarde, saiu Herrera e entrou João Carlos Teixeira.

O nulo, mais um contra o Belenenses, manteve-se até ao apito final, agravando a crise portista. Quanto a contas do Grupo B, as duas equipas somam um ponto, enquanto Feirense e Moreirense jogam apenas na quinta-feira.

Conteúdo publicado por Sportinforma