Futebol

14-03-2017 16:20

De ´Special One` a ´Judas`. Mourinho sob ´fogo` cerrado em Inglaterra

Mourinho viu um jogador expulso, ´pegou-se` com Conte e no final foi chamado de ´Judas` pelos adeptos. Uma noite nada ´Special`.
Mourinho e Conte no Chelsea-Man. United
Foto: WILL OLIVER / EPA

Mourinho e Conte no Chelsea-Man. United

Por Evandro Delgado sapodesporto@sapo.pt

O regresso de Mourinho a Stamford Bridge foi tudo menos pacífico. O Manchester United perdeu com o Chelsea e foi afastado da Taça de Inglaterra. Mourinho viu um jogador expulso, ´pegou-se` com Conte e no final foi chamado de ´Judas` pelos adeptos. Uma noite nada ´Special`.

Mourinho já sabia que ia ter um jogo complicado no seu regresso a Stamford Bridge. O técnico foi despedido em dezembro de 2015 pela segunda vez no Chelsea, sete meses depois de vencer a Premier League. Uma das causas para a sua saída deveu-se ao facto de ter ´perdido` o balneário, com os principais jogadores a perderem a confiança no técnico. Assinaria em junho de 2016 pelo Manchester United.

O jogo desta segunda-feira teve de tudo: derrota, confusão com o treinador adversário e insultos por parte dos adeptos que dantes idolatravam o ´Special One`. Mourinho viu Ander Herrera ser expulso ainda na primeira parte com duplo amarelo pelo árbitro Mike Oliver. Uma decisão que mereceu o seguinte comentário do português.

"Todos podem analisar [o jogo] sob várias perspetivas, mas todos vimos o que estava a acontecer até ao cartão vermelho e o que aconteceu depois do cartão vermelho. Por isso, podemos comparar as decisões em relação aos dois cartões amarelos com outras nas quais não houve cartões amarelos. Michael Oliver é um árbitro com um grande potencial, mas o Manchester United teve azar. Em quatro jogos que fizemos marcou três penáltis contra a nossa equipa e expulsou um dos nossos jogadores. É algo que não posso mudar. Apertei-lhe a mão e disse-lhe muitos parabéns", comentou, em declarações à BBC.

Mourinho fazia referência aos jogos da Premier League frente ao Watford (derrota, a 18 de setembro de 2016), Everton (empate, a 4 de dezembro de 2016) e Liverpool (empate, a 15 de janeiro de 2017), nos quais Oliver assinalou penáltis contra os ´red devils`.

A forma de jogar do Manchester United mereceu duras críticas por parte dos antigos pupilos de Mourinho. Mike Oliver terá chamado a atenção aos jogadores do ´United` dada a quantidade de faltas que estavam a cometer, principalmente sobre Hazard, um dos mais visados. Courtois sublinha que tudo não passou de uma ´armadilha` de Mourinho.

"Eles fizeram muitas faltas e foram muito duros. O United tentou desestabilizar-nos com todas aquelas faltas e pontapés. São os ‘mind games’ que aprenderam com o treinador deles. Mas não caímos nessa armadilha", sublinhou o guarda-redes dos ´blues` no final do jogo.

Graham Poll foi outra voz crítica do estilo de jogo do Manchester United. O antigo árbitro internacional inglês ´carregou` sobre Mourinho por, na sua opinião, ter engendrado uma estratégia para fazer faltas sobre Hazard.

"Mourinho recorreu a todos os truques para tentar travar a dinâmica do pequeno extremo do Chelsea. Ele é mestre das artes obscuras e o United jogou à imagem do seu treinador. As equipas que temem um jogador em particular cometem faltas coletivas à vez. Hazard foi o alvo escolhido, sofreu quatro faltas durante os primeiros 26 minutos de jogo", escreveu o antigo árbitro no ´Daily Mail`.

Antes do final do jogo, Mourinho meteu-se com Antonio Conte, num acesa troca de palavras, depois de uma falta de um jogador do Manchester United sobre um jogador da equipa adversária. Conte ficou muito irritado e dirigiu-se a Mourinho de forma agressiva. Foi preciso a intervenção do quarto árbitro para evitar males maiores. Um momento muito tenso que podia ter sido pior, se Diego Costa ´andasse` por perto.

"Toda a gente sabe como é Conte e como é Mourinho. Têm os dois uma personalidade muito forte e já se sabe o que acontece quando se defrontam duas pessoas assim", disse o hispano-brasileiro à ´Cadena Cope`. "Ainda bem que não estava lá ao pé se não estava lá no meio", concluiu.

No final do encontro não houve cumprimentos entre os dois treinadores, algo que não é normal. Mourinho deu a sua versão.

"Os meus jogadores precisavam de uma ação imediata da minha parte. Os nossos adeptos também mereciam o nosso agradecimento. Garanto que se me cruzar com ele, aperto-lhe a mão. Nada tenho para falar com ele, mas cumprimento-o", garantiu o português em conferência de imprensa.

No final do encontro, Mourinho foi muito criticado pelos adeptos do Chelsea que o chamaram de traidor. Também eles não ficaram sem ´levar o troco`.

"Podem chamar-me o que quiserem, sou um profissional. Defendo o meu clube e, até terem um treinador que ganhe quatro campeonatos, serei o número 1. Quando tiverem alguém que ganhe quatro campeonatos, então serei o número 2. Mas neste momento o Judas é o número 1", comentou Mourinho, em conferência de imprensa.

O ´Special One` diz não perceber a reação dos adeptos londrinos já que, na sua opinião, a culpa de o Chelsea não estar nas competições europeias não é dele mas de quem chegou depois dele.

"A única questão é que nós estamos nas competições europeias e eles não. Podiam estar, porque quando saí do clube deixei-os na Liga dos Campeões, vencedores do grupo e qualificados para a fase a eliminar. Por isso se tivessem ganho a Champions no ano passado estariam agora a jogar na Europa. Não tenho culpa. A culpa é de quem ficou cá e não se qualificou para a Liga dos Campeões", acrescentou ainda José Mourinho sobre o facto de o Chelsea estar fora das competições europeias ao passo que o Manchester United ainda disputa a Liga Europa", atirou.

Hoje, o jornal francês ´France Football` resolveu meter mais ´lenha na fogueira` com uma entrevista a Kevin De Bruyne, jogador dispensado por Mourinho no Chelsea e que agora brilha no Manchester City. Na altura, Mourinho acusou o belga de não se esforçar nos treinos.

"É verdade. Ele disse isso publicamente, que não estava a trabalhar o suficiente nos treinos. É algo fácil de se dizer porque ninguém vê os treinos, são fechados ao público. Mas as pessoas sabem que não sou assim" disse o belga a ´France Football`.

"Não deixo que ninguém me deite abaixo. Digo o que tenho a dizer mas com respeito, claro. Mas naquela altura não podia fazer nada porque ele iria dizer que eu estava a mentir e iria usar essa situação mais tarde", concluiu.

Esta novela está longe do fim. Nos próximos dias muito se vai falar do Chelsea-Manchester United.

*Artigo corrigido

Conteúdo publicado por Sportinforma