Angola: Mundial hóquei em patins

23-03-2013 20:20

Kaissarinha será a mascote

As 16 seleções participantes na prova foram já distribuídas por quatro grupos, cujo sorteio de jogos está marcado para julho.
Kaissarinha será a mascote

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt

A mascote do 41.º Campeonato do Mundo de hóquei em patins, que se disputa em Angola em setembro, chama-se Kaissarinha, anunciou hoje em Luanda o comité organizador.

O nome Kaissarinha, uma homenagem ao antigo jogador Kaissara, foi o mais votado numa eleição pública na Internet, obtendo 323 votos, vencendo outros nomes como Charra Charra (255 votos), designação atribuída a um tipo de patins usados nos primórdios da modalidade em Angola, e Cassendinha (115), em referência ao bairro Cassenda, onde o hóquei em patins é muito popular.

Kaissara, hoje vice-presidente da Federação Angolana de Patinagem, foi dos primeiros jogadores angolanos a abraçar o profissionalismo na Europa.

A mascote que vai publicitar o primeiro mundial da modalidade em África, inspira-se na cultura Lunda "tchokwe", com as cores da bandeira nacional (amarela, vermelha e preta), e ao peito tem a inscrição "Angola 2013".

O anúncio do nome da mascote do torneio foi feito numa cerimónia em que foi igualmente apresentado o sítio na Internet de apresentação do Mundial e que servirá também para inscrição dos jornalistas que desejem cobrir o evento.

O endereço é www.mundialhoqueiangola2013.com, e o objetivo principal é divulgar Angola, designadamente as potencialidades turísticas, culturais e desportivas, sendo apresentado em língua portuguesa, espanhola e inglesa.

Informações sobre as 16 seleções participantes, estatísticas, dados sobre os jogadores e resultados dos jogos podem igualmente ser encontrados no sítio, que tem também informações adicionais sobre a competição e hotéis.

O mundial, que se realiza de 20 a 29 de setembro nas cidades de Luanda e Namibe, está orçado em nove mil milhões de kwanzas (70 milhões euros) e inclui a construção de raiz de dois pavilhões nas duas cidades.

Segundo a organização, a construção do pavilhão de Luanda, com capacidade para 12.000 espetadores, e do Namibe, com lotação para 3.000, e de um terceiro na cidade de Malange, que servirá para um torneio pré-mundial, em agosto, orça os 91 milhões de dólares (68 milhões de euros).



Conteúdo publicado por Sportinforma com Lusa