Mundial Hóquei Patins

28-09-2013 19:40

Moçambique bateu França «convencida»

O 41º Mundial de Hóquei em Patins, primeiro em Angola e em África, decorreu nas províncias de Luanda e Namibe, entre 20 e 28 de setembro.
Moçambique bateu França «convencida»

Por Mayra Fernandes sapodesporto@sapo.pt

Moçambique é a 7ª melhor seleção do mundo em hóquei em patins, depois ter ganho à França por 5-4, no primeiro jogo deste sábado, dia em que encerra o 41º Mundial de Hóquei em Patins.

O jogo fortemente disputado mostrou um Moçambique decidido a ganhar e uma França com «excesso de confiança», segundo o selecionador moçambicano José Carlos Querido, que considerou a vitória justíssima».

Sempre descontente com a arbitragem, tema que aflorou mas a que se negou a falar mais, Querido deixou o apelo aos moçambicanos para que «não deixem morrer o hóquei», pois existe um grupo de trabalho capaz de representar bem as cores da bandeira.

«Ficarmos em 7º lugar não é descer -, perante as condições de trabalho que temos em Moçambique e depois de batermos uma equipa europeia como viram ali (na quadra), só demonstra que melhorámos e muito», disse em resposta ao SAPO Desporto, sobre a "descida" do 4º lugar do mundial anterior, na Argentina, para o 7º deste em Angola.

«O nosso pior jogo foi com Portugal, de resto fizemos jogos muito inteligentes», acrescentou.

Um mundial exemplar

A França será a anfitriã do próximo Mundial de Hóquei em Patins e de Angola leva como bom exemplo «o pavilhão e até a sala de imprensa», gracejou o treinador Fabien Savreux, visivelmente dececionado com o resultado frente a Moçambique.

«Estou dececionado porque a equipa não joga assim como eu queria», lamentou.

À parte o resultado que os deixa na 8ª posição, Savreux teceu comentários sobre a forma como todo Mundial rolou em Angola: «Aqui fez-se publicidade, houve investimento para que 12 mil pessoas enchessem o pavilhão, as claques torceram pelas várias equipas, o público apoiou as equipas do início ao fim. Em França as pessoas não apoiam tanto, chegam, assistem e nada mais. O pavilhão francês só terá capacidade para quatro mil pessoas», explicou.

«Este mundial foi um espetáculo muito bonito e fomos muito bem recebidos em Angola. Estamos muito contentes com o que vimos, os pavilhões têm ótimas condições», elogiou Savreux.

A final a acontecer em Luanda igualmente será entra Espanha e Argentina, neste sábado, pelas 21h e da parte do selecionador francês há maior crença na equipa espanhola que segundo este «teve jogos mais fáceis e tempo para descansar».

O 41º Mundial de Hóquei em Patins, primeiro em Angola e em África, decorreu nas províncias de Luanda e Namibe, entre 20 e 28 de setembro.

Conteúdo publicado por Sportinforma