AS Roma - FC Porto

23-08-2016 16:34

Vencer pelo orgulho, mas também pelos (muitos) milhões

O FC Porto vai disputar com a Roma o acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões, sabendo que um resultado negativo afetará severamente o orçamento para a temporada.
Felipe (D) disputa a bola com Mohamed Salah (E)
Foto: ESTELA SILVA/LUSA

Felipe disputa a bola com Mohamed Salah no jogo da primeira mão

Por Gaspar Castro sapodesporto@sapo.pt

O FC Porto vai entrar em campo esta noite, no célebre Olímpico de Roma, sabendo que terá em jogo bem mais do que o orgulho de marcar presença entre os melhores da Europa. Tudo é, necessariamente, também uma questão económica, ou não fosse a Liga dos Campeões de longe a prova mais proveitosa no que toca a receitas no futebol europeu.

Neste momento, os 'dragões', têm apenas duas hipóteses no que toca à participação em competições europeias na época 2016/17. Ou seguem para a fase de grupos da Liga dos Campeões ou caem para a menos entusiasmante Liga Europa. Não é difícil calcular qual das hipóteses é mais interessante para a SAD portista.

Só com a entrada na 'Champions', o FC Porto encaixaria 12 milhões de euros, a que seria somado um milhão de euros de prémio pela eliminação da Roma no 'play-off'. A isto poderíamos ainda somar os dois milhões já garantidos por disputar o 'play-off', chegando assim à soma de 15 milhões de euros, que ficam assegurados em caso de resultado positivo esta noite.

Caso não consiga ultrapassar a Roma, o FC Porto fica com apenas uma opção para compensar a nível financeiro uma eliminação precoce da Liga dos Campeões: chegar à final da Liga Europa. Caso consiga vencer a prova, como em 2010/11, encaixa 15 milhões, um valor respeitável mas ainda assim longínquo dos valores praticados na Liga dos Campeões.

E voltando à 'Champions': 15 milhões é o valor encaixado por chegar à fase de grupos, mas a maior competição europeia de clubes traz muito mais possibilidades de 'jackpot'. Por cada ponto conquistado na primeira fase, cada equipa encaixa 500 mil euros. Esse é, portanto, o valor de um empate, enquanto uma vitória vale 1,5 milhões. No caso de uma prestação perfeita na fase de grupos - cenário improvável para qualquer equipa - seis vitórias equivaleriam a nove milhões de euros. Juntando esse valor hipotético aos tais 15 milhões, chegamos aos 24 milhões, ainda antes da fase a eliminar.

Com essas hipotéticas vitórias viria a qualificação para a fase seguinte da prova, os oitavos-de-final. É esta fase que é normalmente apontada como objetivo realista do FC Porto em todas as épocas, e a qualificação traz mais 5,5 milhões de euros para os cofres. Pela simples presença na fase de grupos e nos 'oitavos', portanto, os 'dragões' encaixariam 20,5 milhões, sendo que no caso da tal fase de grupos perfeita - mais uma vez, cenário improvável - chegariam aos 29,5 milhões. Há ainda que ter em conta as receitas dos direitos televisivos, que até esta fase podem chegar aos cinco milhões de euros.

Caso o FC Porto, ou qualquer outra equipa portuguesa, consiga ir além dos 'oitavos' da Liga dos Campeões, o 'bolo' continua a aumentar de forma considerável. A presença nos 'quartos' vale mais seis milhões, a presença nas 'meias' mais sete milhões e a presença na tão sonhada final vale mais 10,5 milhões de euros para a equipa derrotada e 15 milhões para a equipa vencedora. Um campeão europeu arrecada, portanto, 57,5 milhões de euros no caso de uma fase de grupos perfeita. A isto acresce ainda o significativo valor dos direitos televisivos.

Razões de sobra, então, para o FC Porto não querer cair desde já da Liga dos Campeões. Apenas por uma vez nos últimos 14 anos os 'dragões' estiveram fora da fase de grupos da 'Champions': em 2010/11, época em que acabaram por conquistar a Liga Europa sob o comando de André Villas-Boas. Nuno Espírito Santo sabe, então, que se não ultrapassar a Roma terá grandes sapatos para encher na segunda prova de clubes europeus. A preferência do técnico deve ser outra: encher desde já os cofres.

Conteúdo publicado por Sportinforma