FC Porto 1-1 Copenhaga

15-09-2016 10:00

Análise: Faltou espírito a esta FC Porto na 'versão Champions'

FC Porto optou pela via mais fácil depois de Otávio ter feito o golo na primeira parte. Cornelius estragou a festa da estreia do FC Porto na fase de grupos da Champions.
Nuno Espírito Santo, treinador do FC Porto na Champions
Foto: LUSA

Nuno Espírito Santo, treinador do FC Porto na Champions

Por João Agre sapodesporto@sapo.pt

Resumo
O FC Porto começou com o pé esquerdo a edição 2016/17 da Liga dos Campeões, ao empatar a um golo com os dinamarqueses do Copenhaga, em jogo da primeira jornada do Grupo G. Otávio marcou na primeira parte aos 13 minutos para a equipa da casa, mas Cornelius empatou no segundo tempo para a formação visitante. Aos 66 minutos, o Copenhaga ficou reduzido a dez elementos, mas os Dragões não aproveitaram a vantagem numérica para somar os três pontos em casa. Nuno Espírito Santo ainda colocou em ação Depoitre (62’), Brahimi (70’) e Diogo Jota (82'), para os lugares de Corona, Herrera e Otávio, mas o resultado manteve-se inalterável.


Momento-chave

No segundo tempo, aos 52 minutos, o Copenhaga chegou ao empate. Toutouh cruzou na esquerda para o segundo poste, Alex Telles ainda conseguiu travar o primeiro remate de Cornelius, mas à segunda, o avançado cabeceou para o fundo das redes.A partir daqui, o FC Porto não conseguiu reerguer-se e isso foi determinante para o resultado final.

Momento Polémico

Aos 90 minutos, pediu-se grande penalidade no Dragão, por alegada mão na bola, mas o árbitro nada assinalou, deixando os jogadores portista bastante furiosos.

Jogadores em destaque

Otávio: Pelas boas razões! Aos 13 minutos, marcou um golaço numa jogada combinada com André Silva e está a revelar-se um jogador polivalente desde o meio-campo até ao ataque portista. O jogador brasileiro acabou por sair aos 82 minutos (entrou Diogo Jota), mas devido ao desgaste físico a que esteve sujeito pelos adversários dinamarqueses.

Herrera: Pelas más razões! Herrera regressou ao onze inicial, depois de ter ficado de fora do último desafio contra o Vitória de Guimarães devido ao desgaste da viagem com a seleção mexicana, e o médio ficou muito aquém do esperado para uma noite de estreia na Champions. Herrera arrastava-se em campo e mostrava-se sem ideias. A troca por André André, que fez um belíssimo jogo contra os minhotos, não fez sentido para esta partida.


As vozes dos protagonistas

Espírito Santo: “Apesar da boa primeira parte, não fomos eficazes. Permitimos demasiados momentos ao adversário e diria que não fomos, no cômputo geral, a equipa que queremos ser. A equipa tem de saber que tem um plano de jogo e que deve haver rigor. Surgindo problemas temos de encontrar recursos e soluções. O Copenhaga chegou ao empate numa ação isolada, mas depois também não encontrámos soluções. Não conseguimos reagir e tínhamos de querer mais”.

Danilo: “Entrámos muito soft na segunda parte. Na primeira parte entrámos com espírito forte. Na segunda parte foi o contrário. Fizemos uma segunda parte muito relaxada e permitimos que o Copenhaga marcasse da forma em que são fortes. Abandonámos um pouco a nossa estratégia e o Copenhaga cresceu, conseguindo o empate”.

Brahimi: “Sabíamos que um jogo da Liga dos Campeões nunca é fácil. Começámos bem, com um golo, mas ficamos tristes com o empate, pois encaramos qualquer jogo para vencer. Temos de continuar a trabalhar, pois a equipa cresce de jogo para jogo”.

Otávio: ”Acho que na primeira parte tivemos mais posse de bola, corremos mais, faltou fazer o segundo golo. Queríamos a vitória mas foi o empate. Agora é levantar a cabeça e pensar no próximo jogo”.


Curiosidades

Os Dragões já não ganham no Estádio do Dragão há quatro jogos para as competições da UEFA e, pela primeira vez, não venceu uma equipa dinamarquesa em casa.

Conteúdo publicado por Sportinforma