O ministro alemão dos negócios estrangeiros Heiko Maas criticou, esta quarta-feira, a decisão da UEFA que impede que a Allianz Arena se ilumine com as cores do arco-íris para o jogo da Alemanha frente à Hungria, marcado para hoje

"É verdade, o futebol não é sobre políticas", escreveu Maas no Twitter, depois do organismo que comanda o futebol europeu ter argumentado a sua decisão com o "contexto político".

"É sobre pessoas, sobre igualdade, sobre tolerância. É por isso que a UEFA está a mandar a mensagem errada", acrescentou.

As autoridades de Munique queriam que a Allianz Arena - que pertence ao Bayern de Munique, mas que está alugada à UEFA para o Euro2020 - se iluminasse com as cores do arco-íris no jogo crucial do grupo F para "enviar um sinal de solidariedade visível" com a comunidade LGBT húngara.

Mas a UEFA recusou o pedido, insistindo que deve permanecer "uma organização política e religiosamente neutra".

Na semana passada, o governo de direita húngaro aprovou uma lei que bane a "promoção" da homossexualidade a menores, proibindo qualquer material programa ou material educativo onde a homossexualidade seja mencionada.

A decisão da UEFA mereceu a condenação de várias personalidades do futebol de toda a Europa, bem como da comunidade lésbica, gay, bissexual e transgénero alemã.

Depois da recusa da UEFA, o presidente da Câmara de Munique, Dieter Reiter, anunciou planos para decorar os principais pontos da cidade com as cores do arco-íris.

Munique colocará bandeiras arco-íris na Câmara Municipal e iluminará a enorme turbina eólica junto ao estádio, bem como a Torre Olímpica de 291 metros.

Outros estádios pela Alemanha também se prepararam para brilhar com as cores do arco-íris, incluindo o icónico Estádio Olímpico de Berlim, bem como os estadios da Bundesliga em Colónia, Frankfurt e Wolfburg.

Para o secretário de Estado para os Assuntos Europeus francês, Clément Beaune, a recusa da UEFA é ela própria uma “decisão política”, ao contrário do que afirma o organismo europeu de futebol.

Se fosse uma questão neutra, assinalou, “não suscitaria a emoção e polémica que se vê há 24 horas”.

“Defender a igualdade (…) não é uma opinião política”, considerou, destacando que se trata “de valores fundamentais que integram as convenções desportivas, os tratados europeus” e que a UEFA se empenha regularmente em causas como a luta contra o racismo.

O jogo entre alemães e húngaros faz parte da terceira jornada do Grupo F, que integra também a seleção portuguesa.

Antes da partida, os organizadores da Marcha do Orgulho de Munique, associados à Amnistia Internacional, planeiam distribuir 11.000 bandeiras arco-íris aos espetadores (apenas 14.000 lugares do estádio serão ocupados devido à covid-19).

Segundo a agência France-Presse, poderá ocorrer alguma tensão com os fãs húngaros. A Brigada dos Cárpatos, um grupo de extrema-direita da Hungria, anunciou na rede social Facebook que “milhares” se deslocariam a Munique.

Saiba tudo sobre o Euro2020: fotos, vídeos, infografias, notícias e reportagens

*Artigo atualizado às 11h16
**COM Lusa e AFP

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.

Ajude-nos a melhorar o SAPO Desporto