Já não faltava só a desinspiração e a mesmo alguma incapacidade que Jorge Jesus tem demonstrado, até ao momento, em transformar uma conjunto de jogadores (bem caros) numa equipa, com dinâmica e regularidade, eis que chega o vírus para alargar o desânimo.

Foram 10 ausências - a que junta o lesionado André Almeida na equipa de Jorge Jesus. Com uma defesa completamente renovada, a começar pelo guardião Svilar, o que é certo é que os encarnados apresentaram do meio campo para a frente um onze muito competitivo, com Chiquinho, Pizzi, Weigl, Rafa e a dupla Darwin-Seferovic no ataque.

Leia a crónica da partida

Contudo, os 'COVID negativos', parecem ter sido infetados pelo vírus da desinspiração dada a incapacidade do Benfica para construir e conseguir criar oportunidades ao longo do encontro. Depois do golo apontado por Chiquinho ao minuto 15´, o que é certo é a partir daí as duas equipas viraram praticamente as costas às balizas, com o Nacional também a não conseguir incomodar Svilar durante o primeiro tempo.

Apesar de alguma ligação entre os setores nos primeiros minutos, os encarnados tiveram muita dificuldade em chegar ao último terço e somaram apenas dois remates enquadrados na etapa inicial.

Veja  o resumo da partida

E quando a equipa encarnada não consegue somar uma vantagem avolumada, a vulnerabilidade da defesa tem custado pontos ao Benfica versão 20/21.

O 1-1 logo no começo do segundo tempo voltou a colocar a nu as vulnerabilidades da equipa encarnada na zona mais recuada, com Bryan Rochez a antecipar-se a João Ferreira na área e a fazer o empate.

Com tempo para ir à procura de nova vantagem, Ramos e Pedrinho foram lançados em campo. Pedrinho quis ser Pedrão, ao tentar inventar algumas jogadas de perigo e Ramos esteve perto do 2-1 num remate defendido por Daniel

Seferovic teve o golo do triunfo nos pés, mas não conseguiu ter engenho para concluir ao minuto 83´. Exibição, tal e qual o tempo na capitão portuguesa, cinzenta e com os encarnados a esperarem por melhores dias. Três jogos sem vencer paraa  equipa de Jorge Jesus que terá necessariamente de responder no clássico frente ao Sporting.

Momento

O golo de Bryan Rochez ao minuto 48´: Instalou a dúvida na equipa do Benfica, um conjunto que tem tremido na defesa esta temporada.

Melhores

Pizzi

Com uma assistência para golo, tentou esticar o jogo perante um jogo desinspirado dos companheiros. Teve ainda 41 ações com bola e seis recuperações de bola, de acordo com o Goal Point.

Chiquinho

Enquanto teve gás foi um autêntico quebra-cabeça para a defensiva insular. Titular pela primeira vez no campeonato, colocou duas vezes a bola na baliza, sendo que um dos golos foi anulado. Acabou por ser rendido no segundo tempo.

Rochez

Fez o golo a abrir a segunda parte, depois de uma primeira parte em que o Nacional 'foi secado' no jogo ofensivo pelo Benfica. Tento acabou por valer o ponto para os insulares.

Pedrinho

Entrou ao minuto 62´ e o que é certo é que mexeu com o jogo. Conseguiu imprimir mais velocidade e dinâmica à equipa encarnada. Deu nas vistas com vários recortes técnicos.

Reações

Jesus: "Há alguma juventude e temos sido penalizados por isso"

Luís Freire: "Fomos premiados pela boa exibição"

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.