O antigo diretor-executivo da Associação das Ligas Europeias de Futebol Profissional (EPFL) Emanuel Macedo de Medeiros considera que o futebol português “deve ir ao divã” porque corre o risco de caminhar para o abismo em termos de credibilidade.
“O futebol português está num período de viragem e deve ir ao divã, deve confrontar-se consigo próprio”, afirmou Emanuel Macedo de Medeiros, em entrevista à agência Lusa.
O antigo diretor-executivo da EPFL lançou um apelo a todos dos dirigentes portugueses: “Façam uma reflexão profunda sobre se o trajeto que tem vindo a ser seguido deve continuar, ou se não estamos perante uma situação de abismo em termos de credibilidade”.
Emanuel Macedo de Medeiros, que esteve nove anos como diretor-executivo da EPFL, considera que “não é possível continuar a assistir na praça pública à chacina verbal entre os dirigentes, não é possível num dia pugnar-se pela proclamação do futebol em Portugal e no dia seguinte desferir as mais violentas navalhadas verbais”.
O dirigente entende que a credibilidade está em causa porque “os adeptos, os investidores, patrocinadores, comunicação social e a opinião pública não são indiferentes àquilo que se vê e se ouve”.
Para inverter a situação, defende um esforço de contenção, a criação de pontos de convergência e a mobilização de todos os intervenientes em torno de um desígnio comum, mas alerta: “o exemplo tem que partir dos dirigentes”.
Macedo de Medeiros lembra que “convergência não implica unanimismo, mas implica consensos sólidos e genuínos” e admite que caso tal não aconteça, o futebol português corre riscos a nível internacional.
“Corremos o risco de continuar a assistir às outras ligas a progredirem e afirmarem-se desportivamente e financeiramente, num setor cada vez mais globalizado e exigente e nós continuamos a regredir” disse.
No entanto, Emanuel Macedo de Medeiros, que antes de ingressar na EPFL foi secretário-geral da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, disse ter “acreditar no futebol português e nas pessoas”.
Sobre a participação da seleção portuguesa no Mundial2014, o antigo dirigente da EPFL acredita que a equipa orientada por Paulo Bento “vai continuar a dar muitas alegrias aos portugueses”, mas acrescenta: “Isso não quer dizer que tenhamos de exigir o título”.
Enaltecendo o papel que a seleção “tem tido para elevar a autoestima dos portugueses”, Emanuel Macedo de Medeiros, considera que a participação lusa no Mundial “vai materializar-se em resultados positivos”, e avisa: “todos dispensam a pressão”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.