“Já recebi um diploma nos primeiros Jogos Olímpicos com surf e estou muito feliz com isso. Sou muito competitiva e vim com o pensamento no ouro, não vim fazer mais nada. Acabei por cair um bocadinho atrás, mas estou muito feliz com o meu desempenho. Sei que o meu surf é suficiente para chegar lá acima. Não foi desta, será da próxima”, disse a jovem algarvia.

Na praia de Tsurigasaki, em Chiba, Iolanda, de 23 anos, conquistou 5,46 pontos (3,93 e 1,53) no primeiro ‘heat’ dos quartos de final, que foram insuficientes para bater a sul-africana Bianca Buitendag, que contabilizou 9,5 (6 e 3,5).

“Estava um bocadinho difícil lá dentro, com a maré vaza. As ondas formavam e rebentavam logo. A Bianca apanhou uma que levantou um bocado de parede e deu-lhe a oportunidade para fazer mais do que uma manobra, que foi o que me faltou”, lamentou, depois de não ter conseguido aproveitar uma prioridade superior a 10 minutos.

Na hora da despedida, o agradecimento a todos os que a têm apoiado, até nas suas necessidades mais básicas de sobrevivência, e a confiança de que após este desempenho possam surgir os apoios necessários para atingir um patamar mais elevado no surf.

“Tive muitas dificuldades na minha vida, o meu treinador (John Tranter) ajudou-me muito. Vivo em casa dele. Viu o meu potencial. É como a minha família. Tive muitas dificuldades, alturas em que até foi complicado arranjar dinheiro para comer”, recordou.

A atleta, que até agora tem o melhor resultado de Portugal em Tóquio2020, a par da judoca Catarina Costa (-48 kg), espera que surjam interessados em apoiar, de forma sustentada, a sua carreira, que, até ao momento, tem contado com a ajuda de muitos donativos de particulares que conhecem a sua história.

“Se alguma vez parasse de surfar, era por falta de dinheiro. Espero que depois de representar Portugal desta forma possa vir a ter mais oportunidades de me realizar, fazer o que gosto e ter apoio concreto atrás de mim”, disse a surfista nascida em faro, confiando que 50.000 euros lhe permitam fazer “o mínimo dos mínimos” no desejado World Championship Tour.

Agora que terminou Tóquio2020, o seu pensamento já está em Paris2024, na praia de Teahupoo, no Tahiti.

“Quero e vou qualificar-me. Estou muito entusiasmada para isso e vou treinar. Quero levar a minha melhor ‘performance’ para lá”, concluiu.

Além de Yolanda Sequeira, o surf luso contou com Teresa Bonvalot que ficou no nono lugar.

Frederico Morais, candidato a medalha no setor masculino, foi infetado pelo novo coronavírus e foi baixa de última hora na comitiva portuguesa.

Todas as notícias e reportagens sobre Tóquio 2020 acompanhadas ao minuto pelo SAPO Desporto

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.