Depois de ter anunciado o final de carreira, Patrice Evra fez um balanço e recordou os tempos difíceis que viveu durante a juventude.

Num relato na primeira pessoa ao 'The Player´s Tribune", o agora ex-jogador revelou que chegou a ter que roubar e a pedir esmola para sobreviver.

Sem plano B, Evra conta o que teria sido a sua vida sem o desporto rei.

"Provavelmente estaria sentado à porta de uma loja de Paris, a pedir dinheiro para comprar uma sandes", revela prosseguindo.

"Detesto quando as pessoas rotulam alguém de 'Gangster'. Quando se cresce num zona em que os tiroteios e os assassinatos são constantes fazemos tudo para sobreviver. Lutamos muito. Roubava comida, roupa e até jogos de vídeo", recorda.

Evra relembrou ainda o momento em que partilhou o seu sonho de criança na escola e todo se riu na cara dele. O francês acabou por fintar o destino e vencer as probabilidades.

"No meu primeiro dia de escola tínhamos que dizer o que queríamos ser quando fossemos grandes. Alguns dos meus colegas escreveram 'advogado' ou 'médico'. Eu escrevi 'futebolista'. A professora questionou-se em frente à turma.

'Patrice, acreditas mesmo que vai ser jogador de futebol, que és tu que vais conseguir chegar lá entre 300 miúdos?' Eu disse que sim e toda a gente se riu."

O defesa passou por clubes como a Juventus, o Manchester United e o Marselha.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.