A janela de inverno do mercado de transferências de futebolistas encerrou na segunda-feira com o tradicional domínio dos clubes ingleses, embora sob uma inequívoca recessão causada pelos efeitos da pandemia de covid-19.

Depois de ter investido mais de 200 milhões de euros (ME) nas últimas cinco épocas, a Premier League refletiu uma crise económica sem precedentes com despesas de 85,56 ME em janeiro, batendo mínimos desde 2009/10, quando se ficou pelos 40,74 ME.

O West Ham United sobressaiu como o clube mais gastador, ao pagar 23,1 ME ao Brentford para acionar a cláusula de Said Benrahma e assegurar as cedências de Jesse Lingard (ex-Manchester United, por 1,7 ME) e Frederik Alves (ex-Silkeborg, por 1,6 ME).

Em sentido inverso, os londrinos cobraram 22,5 ME pela venda de Sébastien Haller ao Ajax, naquele que constituiu o segundo negócio internacional mais caro em 2021, logo à frente dos 21 ME gastos pelo Manchester United na compra de Amad Diallo à Atalanta.

Os ‘red devils’ venderam ainda Timothy Fosu-Mensah ao Bayer Leverkusen (1,7 ME) e ficaram sem o emprestado Odion Ighalo, de regresso ao Shanghai Shenhua, enquanto o rival Manchester City limitou-se a entregar 8,5 ME ao Partizan por Filip Stevanovic.

Dominador do mercado de verão, com 247,2 ME investidos, o Chelsea prescindiu de reforços de inverno, acertou as cedências de Fikayo Tomori (AC Milan) e Danny Drinkwater (Kasimpasa) e libertou Lucas Piazón a custo zero para o Sporting de Braga.

Igual registo adotou o Tottenham, treinado por José Mourinho, ao devolver Gedson Fernandes ao Benfica, agora no Galatasaray, ao invés do Liverpool, novo destino de Ben Davies (ex-Preston, por 570 mil euros) e Ozan Kabak, emprestado pelo Schalke 04.

Mais ativo esteve o Arsenal, que garantiu Martin Odegaard (Real Madrid, por dois ME) e Mathew Ryan (Brighton) até junho, cedeu Sead Kolasinac (Schalke 04) e vendeu Sokratis (Olympiacos), Mustafi (Schalke 04) e Mesut Ozil (Fenerbahçe) sem custos adicionais.

Já o Wolverhampton, de Nuno Espírito Santo, apostou no empréstimo de Willian José (ex-Real Sociedad) e recuperou Morgan Gibbs-White (ex-Swansea), além de ter libertado Roderick Miranda para o Gaziantep, de Ricardo Sá Pinto, e cedido Patrick Cutrone ao Valência.

Dos cinco principais campeonatos europeus, os clubes espanhóis mostraram maior contenção e investiram uma quantia total de 21,25 ME, inferior às últimas oito épocas e liderada pelos 20,75 ME do Atlético de Madrid em Geoffrey Kondogbia (ex-Valência).

Os ‘colchoneros’ supriram a rescisão de Diego Costa com o empréstimo de Moussa Dembélé (ex-Olympique Lyon), a contemplar uma cláusula de compra no verão de 33,5 ME, enquanto o Real Madrid voltou a não comprar e cedeu Takefusa Kubo ao Villarreal.

Em urgente contenção de custos, o FC Barcelona resolveu emprestar Carles Aleñá ao Getafe e desviar Jean-Clair Todibo do Benfica para o Nice, revelando menor mestria negocial que o Sevilha, ao receber 10 ME da Real Sociedad por Carlos Fernández.

Os andaluzes contrataram Papu Gómez por apenas 5,5 ME e desfalcaram a Atalanta do seu antigo capitão, numa realidade compensada através de Viktor Kovalenko, que abandonou o Shakhtar Donetsk, orientado por Luís Castro, por 500 mil euros.

O clube de Bérgamo adquiriu ainda Joakim Maehle (ex-Genk, por 11 ME), gastando bem mais do que a Roma, de Paulo Fonseca, por Bryan Reynolds, emprestado pelo Dallas, e o regressado Stephan El Shaarawy, em final de contrato com o Shangai Shenhua.

Se o Inter Milão descartou reforços e voltou a emprestar Radja Nainggolan ao Cagliari, o AC Milan pagou 500 mil euros ao Torino pela cedência de Soualiho Meité, fez regressar Mario Mandzukic ao ativo e vendeu Mateo Musacchio à Lazio sem custos adicionais.

Sami Khedira rumou de maneira idêntica ao Hertha Berlim a partir da Juventus, que colocou Daniele Rugani a rodar em Cagliari e pagou 18 ME por Nicolò Rovella, num negócio a pensar em 2021/22 e que permitiu encaixar 10 ME por Manolo Portanova.

Com 77,68 ME desembolsados, Itália foi o segundo país mais gastador em janeiro, à frente da Alemanha, onde a compra do promissor Dominik Szoboszlai (ex-Red Bull Salzburg) pelo Leipzig perfez 20 dos 45,7 ME de despesas totais na Bundesliga.

Perante a inatividade de Bayern Munique e Borussia Dortmund, Jeremie Frimpong (ex-Celtic, por 11 ME) e Demarai Gray (ex-Leicester, por dois ME) reforçaram o Leverkusen e Kouadio Koné (ex-Toulouse, por nove ME) assinou pelo Borussia Monchengladbach.

O Eintracht Frankfurt destinou um milhão de euros ao Real Madrid pelo regresso de Luka Jovic, num empréstimo sem opção de compra no final dos seis meses, capaz de colmatar a saída do ex-avançado do Sporting Bas Dost para o Club Brugge por quatro ME.

À procura de renegociar a venda de direitos televisivos, a Liga francesa despendeu 29 ME, dos quais 20 ME valeram a aquisição de Krépin Diatta (ex-Club Brugge) pelo AS Mónaco, que cedeu Jemerson (Corinthians) e Henry Onyekuru (Galatasaray).

O Paris Saint-Germain manteve-se praticamente inalterado e rescindiu com Jesé, futebolista com passagem por Alvalade e que assinou pelo Las Palmas sem custos, à semelhança de Islam Slimani, que se desvinculou do Leicester para rumar ao Lyon.

Já o Marselha, de André Villas-Boas, acolheu os emprestados Pol Lirola (ex-Fiorentina), Arkadiusz Milik (ex-Nápoles) e Olivier Ntcham (ex-Celtic), lucrou com Morgan Sanson (Aston Villa, por 15,8 ME) e trocou Marley Aké por Franco Tongya com a Juventus.

- Lista das transferências mais caras do mercado europeu:

Jogador               De                         Para                     Valor (ME)

-------------------------------------------------------------------------------------

´         Brentford (Ing)            West Ham (Ing)           23,1 a)

Sébastien Haller      West Ham (Ing)             Ajax (Hol)               22,5

Amad Diallo           Manchester United (Ing)    Atalanta (Ita)           21

Dominik Szoboszlai    Red Bull Salzburg (Aus)    Leipzig (Ale)           20

Krépin Diatta         Club Brugge (Bel)          Mónaco (Fra)            20

Nicolò Rovella        Génova (Ita)               Juventus (Ita)           18

Paulinho              Sporting de Braga          Sporting                 16

Morgan Sanson         Marselha (Fra)             Aston Villa (Ing)        15,8

Geoffrey Kondogbia    Valência (Esp)             Atlético de Madrid (Esp) 15

Pedro                 Fiorentina (Ita)           Flamengo (Bra)           15 a)

Dennis Man            Steaua Bucareste (Rom)     Parma (Ita)              13

Joakim Maehle         Genk (Bel)                 Atalanta (Ita)           11

Jeremie Frimpong      Celtic (Esc)               Bayer Leverkusen (Ale)   11

Manolo Portanova      Juventus (Ita)             Génova (Ita)             10

Carlos Fernández      Sevilha (Esp)              Real Sociedad (Esp)      10

a) cláusula de compra ativada.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.