Marcos Braz, vice-presidente do Flamengo, abordou uma vez mais a saída de Jorge Jessu do comando técnico do clube brasileiro para regressar ao Benfica e que tanto deu que falar no passado mês de junho, confessando que depressa percebeu que nada iria demover o técnico das suas intenções.

"Quando Jesus me disse que queria sair eu sabia que era uma decisão irreversível. Era uma decisão não só desportiva, mas também pessoal. O Jorge Jesus estava a ficar com saudades da família e de Portugal, também devido ao tempo que já tinha estado, alguns meses antes, na Arábia Saudita", começou por explicar.

O dirigente conta que entendeu o porquê das intenções de Jesus e que, por isso, nem se esforçou para o tentar fazer mudar de ideias. "Até para colaborar com ele, de forma mais humana, nem sequer tentei argumentar para que ele continuasse", sublinhou Marcos Braz.

O vice-presidente do 'Fla' revelou depois que tinha estado à conversa com o técnico, precisamente um ano depois da conquista da Libertadores, frente ao River Plate. "Falei com ele e estivemos a conversar sobre o título", confirmou.

No Flamengo, Jorge Jesus, para além da Taça Libertadores, conquistou a Supertaça Sul-americana, o Brasileirão, a Supertaça do Brasil e o Campeonato Carioca. Desde a sua saída, o emblema do Rio de Janeiro já conheceu dois treinadores e está a realizar algo aquém das expetativas, embora ocupe o segundo lugar do Brasileirão (podendo ainda assim ser ultrapassado pelo São Paulo) e seguindo nos oitavos de final da Taça Libertadores, onde esta semana vai medir forças com os argentinos do Racing Club.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.