Era mais um futebolista com boa técnica que surgia nas camadas jovens do Santos Futebol Clube, uma equipa habituada a revelar para o futebol alguns dos mais prolíficos e talentosos jogadores brasileiros. Após a talentosa geração de Neymar e Ganso, que conquistava o ápice com o título da Taça Libertadores de 2011, um adolescente de nome Gabriel Barbosa, então aos dezesseis anos, debutava pela equipa principal do Santos no ano seguinte. Já com a alcunha que mais tarde lhe causaria dores de cabeça no futebol europeu, Gabigol impressionava pela facilidade com que marcava golos em qualquer situação. Os fãs brasileiros pareciam aliviados com mais esta grata surpresa formada na Vila Belmiro. E após a ida de Neymar ao Barcelona em meados de 2013, Gabriel seria o nome da vez na equipa do litoral paulista.

Com um amadurecimento precoce, Gabriel foi chamado à responsabilidade nos Jogos Olímpicos do Rio em 2016, e após a inédita medalha de ouro com a seleção brasileira sub-23, era a vez do jovem, que já demonstrava insatisfação por permanecer no Brasil, ir à Europa para debutar com a camisola do Inter de Milão. Porém, os dias em Itália foram mais conturbados do que o esperado, e a nova estrela brasileira, comparada pelos nerrazzuri ao ‘fenómeno’ Ronaldo, demorava a dar bons sinais de aprendizado ao tático e mais coletivo futebol italiano. Após muito reclamar e pouco jogar, um empréstimo ao Benfica para a época 2017/2018 foi a solução encontrada para dar mais rodagem ao jovem avançado. Mas na Luz, o que se viu foi um futebolista sem foco e, o mais preocupante, sem ter a menor consciência de sua postura e o desgaste à sua imagem. Foram apenas nove jogos e um golo pelos encarnados, frente ao Olhanense, pela Taça de Portugal, e pouco mais de quatro meses em Lisboa, um adeus sem saudades. Gabigol era posto em dúvida quanto a sua qualidade, e seguiu-se um retorno a casa, por empréstimo.

Ao longo do ano passado, Gabriel, que pedira para não mais usar a alcunha em sua camisola, desabrochou outra vez e foi o melhor marcador do Brasileirão, com 18 gols pelo Santos. Para 2019, especulava-se um retorno, desta vez em grande, ao Inter, mas os temerosos dirigentes italianos resolveram emprestar o avançado ao Flamengo, que com muito dinheiro em caixa, assumira os vencimentos mensais do atleta, muito acima da realidade do futebol brasileiro. Eis que Gabriel está a corresponder ao investimento, com golos, muitos, e a recuperar a imagem do avançado goleador. São, até aqui, 28 gols em 38 jogos em todas as competições pelo Flamengo no ano, média excelente e números que em nada fazem lembrar o lamentável Gabriel que passou pela Luz.

Frente ao Palmeiras, pela 17ª jornada do Brasileirão, Gabriel marcou dos seus outra vez, num duelo das duas equipas favoritas ao título, e no primeiro embate entre Jorge Jesus e Luiz Felipe Scolari, e ao que parece, pode ter sido o último. Flamengo e Palmeiras tem os planteis mais badalados do momento no futebol brasileiro, e no jogo deste domingo no estádio Maracanã, a equipa de Jesus foi impiedosa contra um pragmático Palmeiras, que até começara por marcar, mas o golo do médio Matheus Fernandes fora anulado por fora de jogo logo aos três minutos. O Flamengo respondeu logo depois, e com sua artilharia pesada. Aos 11’, após belo passe do uruguaio Arrascaeta, Gabriel rematou com classe para abrir o marcador. Depois, aos 37’, foi Arrascaeta a cabecear para o 2-0, e aos 61’, Gabriel, de grande penalidade, pôs fim ao calvário palmeirense e marcou seu golo de número 14 no Brasileirão, isolando-se ainda mais entre os melhores marcadores do campeonato. Com mais este revés, frente a um adversário direto na luta pelo título, e somadas às eliminações na Copa do Brasil e Taça Libertadores, a permanência de Scolari na equipa alviverde torna-se difícil, e há que especule pelo nome de José Mourinho, após o impacto positivo que o trabalho de Jesus está a ter por estas terras.

O Flamengo segue na ponta do campeonato, mas com o Santos ao lado, isto porque os comandados de Jorge Sampaoli venceram na ronda a Chapecoense, com o único golo do encontro a sair dos pés habilidosos do baixinho venezuelano Soteldo, que contou com um desvio para autogolo do central Gum. Santos e Flamengo dividem a liderança com 33 pontos, estão rigorosamente iguais em quase todas as estatísticas, exceto quanto ao número de golos marcados, aí o Flamengo leva boa vantagem, com 38, contra 29 dos santistas.

Daqui a duas jornadas, Flamengo e Santos medirão forças no Maracanã, as duas equipas de futebol mais vistoso nesta primeira volta do Brasileirão. Sem poupar titulares e a não medir esforços entre o Brasileirão e a Libertadores, Jesus ganha cada vez mais créditos com a imensa massa de adeptos de um cada vez mais goleador Flamengo, e quem aproveita toda esta boa fase também é Gabriel, que talvez possa estar a reconsiderar a ideia de voltar a estampar a alcunha, agora na camisola rubro-negra.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.