O Brasil-Argentina continua a dar muito que falar, por causa da arbitragem do equatoriano Roddy Zambrano. Os argentinos criticaram a intervenção do juiz do encontro por, alegadamente, ter feito 'vista grossa' a duas grandes penalidades.

Os responsáveis da AFA (Associação de Futebol da Argentina) enviaram uma carta à CONMEBOL, pedindo o audio das comunicações entre o árbitro principal e o vídeo-árbitro, Leondan González.

Num documento de seis páginas, assinado pelo presidente da AFA, Claudio Tapia, o responsável questiona a não utilização das recomendações do VAR pelo árbitro Roddy Zambrano, nos lances de possível penálti, pedidos pela Argentina.

O Brasil-Argentina também se jogou nas redes sociais. Diários 'Lance' e Olé' em animada troca de galhardetes
O Brasil-Argentina também se jogou nas redes sociais. Diários 'Lance' e Olé' em animada troca de galhardetes
Ver artigo

De acordo com alguns média argentinos, no final do jogo, o comissário dos árbitros questionou o VAR, Leondan González, sobre as suas decisões e este respondeu que tinha alertado o árbitro principal dos dois penáltis a favor da Argentuina mas que Zambrano se teria negado a ir rever os lances.

Outra polémica sobre o jogo mete o presidente do Brasil 'ao barulho', com implicações no vídeo-árbitro. Antes do início do encontro, as comunicações entre o árbitro principal e o VAR deixaram de funcionar, devido a interferência das frequências de rádio da equipa de segurança de Jair Bolsonaro, de acordo com o site 'Globoesprote'.

Alas a presença de Jair Bolsonaro no Mineirão foi muito criticado pela AFA. No intervalo do encontro, o polémico presidente do Brasil desceu da tribuna até ao relvado onde deu uma volta olímpica, acenando para as bancadas. A AFA alega que membros da equipa de segurança de Bolsonaro não estavam identificados e também lembra que alguns atletas já foram punidos por fazerem manifestações políticas em eventos da CONMEBOL, o que é proibido.

Brasil 2-0 Argentina: Canarinha sorri na 'casa dos horrores' e está na final da Copa América
Brasil 2-0 Argentina: Canarinha sorri na 'casa dos horrores' e está na final da Copa América
Ver artigo

No documento enviado à CONMEBOL, a Associação de Futebol da Argentina questiona o brasileiro Wilson Seneme, presidente da Comissão de Arbitragem, tido como alguém que "não goza de antecedentes positivos no seu cargo". A AFA diz que houve negligência de Seneme no balanço do VAR apresentado ao fim da primeira fase da Copa América, já que ele não conta "as vezes em que se omitiu a utilização da ferramenta".

Antes do jogo com o Brasil, a AFA já se tinha avançado com um protesto pela nomeação do árbitro Zambrano, alguém que só tinha apitado o Perú-Bolivia na Copa América.

No documento, a AFA fala na "necessidade de trabalhar e cumprir os objetivos institucionais, observando os princípios da ética, lealdade, jogo limpo, regras claras e transparência, deixando para trás a 'pesada herança' recebida dos nossos antecessores" e diz que o que aconteceu no jogo entre Brasil e Argentina necessita de uma profunda reflexão.

A AFA já tinha deixado duras críticas a arbitragem de Zambrano, no jogo que o Brasil venceu por 2-0 e qualificou-se para a final da Copa América, onde vai defrontar o Perú. Através das redes sociais, a AFA publicou uma imagem em que pode ler-se "nós vimos o mesmo que vocês".

Também Messi criticou a arbitragem do encontro, sublinhando que o Brasil "controla tudo".

"Nesta Copa América cansaram-se de ir ao VAR e hoje nada. Oxalá a CONMEBOL [organização responsável pela competição] faça alguma coisa, mas não acredito muito nisso, porque o Brasil controla tudo", atirou o craque do Barcelona.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.