A seleção portuguesa de futebol feminino fez frente aos Países Baixos, campeões europeus em título e vice-campeões mundiais, mas não conseguiu evitar a derrota por 3-2 no segundo jogo do Euro2022. O resultado complica as contas do apuramento para os quartos de final da competição, mas ainda é possível sonhar.

Portugal esteve a perder por dois golos de diferença, na sequência de dois lances de bola parada, mas fez o empate por Carole Costa, aos 38 minutos, de grande penalidade, e Diana Silva, a abrir a segunda parte. Danielle van de Donk, num remate indefensável para Inês Pereira, acabou por confirmar a subida das neerlandesas ao 1.º lugar do Grupo C, com os mesmos quatro pontos da Suécia, que venceu hoje a Suíça por 2-1 e no domingo defrontará as lusas.

Diante dos Países Baixos, Francisco Neto optou por não mexer no onze que iniciou o primeiro jogo frente à Suíça (2-2), enquanto as neerlandesas apresentavam-se sem a sua grande referência ofensiva, Vivianne Miedema, que testou positivo à COVID-19.

Portugal não se deixou intimidar pelo currículo do seu adversário e logo aos cinco minutos viu um golo anulado a Ana Borges, que estava adiantada - noite histórica para a jogadora do Sporting, que se tornou a mais internacional de sempre pela Seleção lusa.

Euro feminino: Ana Borges torna-se a mais internacional de Portugal
Euro feminino: Ana Borges torna-se a mais internacional de Portugal
Ver artigo

Logo a seguir marcaram os Países Baixos. Na sequência de um canto da esquerda, Damaris Egurrola (7') elevou-se junto ao primeiro poste e cabeceou para o fundo da baliza de Inês Pereira.

A guardiã portuguesa evitou o 2-0 pouco depois, travando o remate de Lineth Beerensteyn, mas não conseguiu defender o cabeceamento de Van der Gragt aos 16', na recarga a um primeiro alívio de Carole Costa, após mais um canto. Tal como no jogo com a Suíça, Portugal consentia dois golos cedo.

Os Países Baixos ainda podiam ter feito o terceiro - Carole Costa afastou em cima da linha de golo o desvio de Stefanie van der Gragt - mas acabou por ser Portugal a reduzir a desvantagem: aos 34' Diana Silva caiu na área, a árbitra Ivana Matincic mandou seguir, mas o VAR alertou para uma possível grande penalidade, que viria a confirmar-se. Na conversão, bola para um lado, guarda-redes para o outro e Carole Costa reduzia a desvantagem lusa.

Veja o golo de Carole Costa

Já perto do intervalo, Joana Marchão quase surpreendia Van Domselaar com um canto direto, mas a neerlandesa afastou o perigo. Da ameaça ao golo do empate, bastou um descanso. Logo a abrir a segunda parte, Carole Costa insistiu na direita, na sequência de um canto, e cruzou para o coração da área, onde surgiu Diana Silva (47') a cabecear para o 2-2.

Veja o golo de Diana Silva

A reação dos Países Baixos foi rápida, com Jill Roord a introduzir a bola na baliza apenas dois minutos depois, mas havia fora de jogo. Aos 61 minutos, contudo, Daniëlle van de Donk, com um remate espetacular de fora da área, sem hipóteses para Inês Pereira, voltou a colocar as neerlandesas na frente.

Francisco Neto aproveitou para mexer e lançou em campo Fátima Pinto e Kika Nazareth, numa altura em que os Países Baixos tentavam baixar o ritmo. Jéssica Silva estava endiabrada no corredor direito, mas os remates das jogadoras lusas iam sempre parar às mãos de Van Domselaar. E o marcador não voltou mais a mexer.

Na classificação, os Países Baixos e a Suécia somam quatro pontos, contra um de Portugal e da Suíça. Os dois primeiros seguem para os quartos de final.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.