O Skenderbeu vai ficar 10 anos excluído das competições europeias de futebol, a maior pena aplicada a um clube devido a resultados combinados, após a rejeição do recurso dos albaneses pelo Tribunal Arbitral do Desporto (TAS).

Esta instância de recurso negou provimento ao apelo do Skenderbeu ao castigo imposto pela UEFA, na sequência de um caso que durou anos e de uma investigação que envolveu um antigo ministro das Finanças da Albânia Ridvan Bode e o presidente do clube, Ardjan Takaj.

O TAS assumiu-se “com confortável satisfação que o Skenderbeu era responsável por manipulação de resultados” em competições nacionais e internacionais, considerando “proporcional e justificável” a inibição de disputar jogos continentais durante 10 anos e uma multa de um milhão de euros.

O Skenderbeu, que venceu sete títulos de campeão da Albânia na última década, é suspeito pela manipulação de resultados em 50 jogos nacionais e de quatro internacionais, dois na qualificação para a Liga dos Campeões e outros tantos na fase de grupos da Liga Europa, em 2015.

Na época 2015/16, os albaneses defrontaram o Sporting na segunda competição continental de clubes, conseguindo uma vitória em casa por 3-0, tendo perdido em Lisboa, por 5-1.

Entretanto, o clube foi impedido de participar na Liga dos Campeões de 2016/17, como sanção provisória.

A pena aplicada ao Skenderbeu é dois anos superior à imposta aos macedónios do Pobeda, pela manipulação de resultados nas fases de qualificação para a edição de 2004/05 da ‘Champions’.

Em 2018/19, o clube terminou no quarto lugar do campeonato albanês.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.