Sete meses depois do impasse, o Tribunal Provincial de Luanda levantou no sábado, em Luanda, a providência cautelar que impedia os órgãos sociais da Federação Angolana de Futebol (FAF) de tomar posse, por alegadas irregularidades durante o processo eleitoral.

O documento que dá conta da decisão do Tribunal foi apresentado durante a uma Assembleia Geral Extraordinária da FAF, no momento em que os associados exigiam a constituição de uma comissão de gestão.

O mencionado órgão angolano de justiça entende não haver fatores impeditivos à tomada de posse da direção liderada por Artur Almeida e Silva, por inexistência de elementos acusados e condenados, pela justiça angolana, na lista vencedora, conforme queixa intentada pelo candidato afastado, Norberto de Castro.

Os associados presentes, por sua vez, mostraram-se surpresos pelo documento e consequente tomada de decisão.

A Associação Provincial de Futebol de Luanda, maior colégio eleitoral, garantiu que vai impugnar a tomada de posse de Artur Almeida e Silva, reconduzido ao segundo mandato consecutivo.

Em declarações à agência Lusa, Norberto de Castro, o candidato que intentou a ação, garante que já recorreu, considerando a decisão do tribunal um erro.

Por sua vez, Artur Almeida e Silva, o presidente reconduzido, promete trabalhar com a família do futebol para o desenvolvimento da modalidade rainha em Angola.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.