Há sinais de que o técnico angolano do Benfica de Luanda, Zeca Amaral, não ficará no clube por muito tempo, uma vez que o Progresso da Lunda Sul e outras equipas da primeira divisão mostraram-se interessados em contratá-lo.

Por causa da falta de dinheiro que condiciona o Benfica, Zeca Amaral pode estar desempregado nos próximos dias, porém o futuro da equipa será definido ainda esta semana.

O antigo selecionador dos Palancas Negras e campeão pelo Recreativo do Libolo dirigiu a agremiação encarnada da capital com sucesso em três épocas consecutivas, 2014, 2015 e 2016.

Porém, para esta época 2017, o timoneiro já projetava a conquista do primeiro título no Girabola Zap para o histórico das águias, tal como a reconquista da Taça de Angola perdida no ano passado.

Com o futuro ameaçado no Benfica de Luanda, o SAPO tentou contactar Zeca Amaral para falar sobre as propostas que recebe de outros clubes, mas este preferiu manter-se no silêncio, mesmo sabendo que poderá houver especulação.

De recordar que o experiente treinador já dirigiu também o Bravos do Maquis do Moxico, tal como outras equipas em que deixou a sua marca, superando as classificações anteriores.

Entretanto, além de Zeca Amaral, os seus adjuntos, com realce para o compatriota que por sinal é seu chará, Felisberto do Amaral ‘Gilberto’, também poderão acompanhá-lo ao desemprego pela mesma causa.

O antigo capitão das Palancas Negras, Gilberto, durante os seus 15 anos de carreira, jogou uma época no Benfica de Luanda, duas no Petro, igualmente no AEL Limassol do Chipre, Lierse da Bélgica e oito no Al-Ahly do Egito.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.