José Mourinho alimentou o «vício e amor pelo futebol» através da rádio, pelo que gostava que continuassem a haver relatos dos jogos em Espanha, em risco devido ao conflito entre Liga e emissoras devido aos direitos de transmissão.

Numa entrevista à agência Lusa, o treinador do Real Madrid afirmou que, neste caso, prefere pensar «de um modo muito objetivo, muito básico mesmo», na qualidade de adepto do futebol.

«Eu cresci com as rádios a serem importantes no mundo do futebol. Ainda hoje, quando as novas tecnologias ocuparam espaços antes não ocupados, eu continuo a pensar que as rádios são importantes. Crescemos assim, alimentámos o nosso vício e o nosso amor pelo futebol assim também e para mim fazem falta», disse.

Mas, apesar desta visão apaixonada, José Mourinho também dá lugar a um discurso «muito pragmático», de acordo com o qual «o futebol é um negócio importante, é uma indústria importante».

«Não conheço muito bem os números, mas acho que, principalmente em Espanha, as rádios faturam, e faturam muitíssimo, em função da transmissão e do acesso aos campeonatos e às competições mais importantes», frisou.

Por isso diz «perceber que neste momento existe um vazio que tem de ser preenchido com diálogo, com negociação» entre a Liga e as estações de rádio.

Porém, remata com o discurso do adepto: «Mas prefiro pôr-me na pele de um básico apaixonado do futebol: cresci com as rádios e gostava que as rádios continuassem».

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.