O Real Madrid anunciou hoje que encerrou o ano fiscal de 2009/2010 com receitas (sem vendas de jogadores) de 442,3 milhões de euros, 8,6 por cento mais do que no exercício anterior.

Em comunicado, o clube do técnico português José Mourinho, no qual militam os internacionais lusos Cristiano Ronaldo, Ricardo Carvalho e Pepe, indica que teve lucros de 24 milhões de euros no exercício 2009/2010, um aumento homólogo de 11,5 por cento.

O Real Madrid sublinha que o volume de negócios anunciado é o “mais alto de qualquer instituição desportiva do mundo”.

A direcção do clube vai apresentar as contas numa Assembleia Geral marcada para 12 de Setembro.

A nota indica que o património líquido do clube aumentou 12,2 por cento, alcançando 219,7 milhões de euros, e o endividamento líquido baixou 25,1 por cento, para 244,6 milhões de euros.

Os resultados antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (EBITDA), excluindo resultados de alienação de jogadores, subiram 19,8 por cento, para 111,6 milhões de euros.

Os custos com pessoal, que representavam 46 por cento das receitas no exercício 2008/2009, baixaram para 43 por cento das receitas no ano fiscal 2009/2010.

Em 2008/2009, a dívida líquida era 1,7 vezes superior ao património líquido, mas no último exercício esse rácio baixou para 1,1 vezes.

O comunicado do Real Madrid destaca que “esta notável melhoria dos indicadores de solvência situa o Real Madrid num patamar de elevada qualidade creditícia”.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.