Ao invés do que tinha acontecido no jogo do campeonato, José Mourinho fez esta terça-feira a antevisão do encontro de amanhã frente ao Barcelona e começou por se mostrar indiferente em relação às críticas que foram feitas (nomeadamente por Di Stéfano) ao sistema de jogo escolhido para enfrentar o Barça no jogo da liga espanhola.

«Di Stefano é uma das personagens mais importantes na história do Real Madrid e eu não sou ninguém. É preciso respeitá-lo e não vou comentar. Mas o treinador sou eu e eu é que vou decidir. A partida de amanhã não tem nada a ver com a de sábado e nem com a da “Champions”», começou por esclarecer, revelando que estrutura vai utilizar na final da Taça do Rei.

«Vamos jogar com quatro defesas, três no centro e três no ataque. Vou apostar num avançado. Vamos defender quando eles tiverem a bola como uma equipa, ou seja, com os onze. Vocês estavam acostumados que aqui apenas defendíamos com seis. Como o meu amigo Messi, tenho dúvidas que a imprensa de Madrid queira a nossa vitória, mas os adeptos não são cegos. Estão com a equipa», atirou, reiterando que não existe um favorito à vitória:

«Não existem favoritos. Os dois têm hipóteses de ganhar e espero que seja um jogo sem problemas. Joguei muitas finais contra equipa inferiores e foram equilibradas e o mesmo aconteceu quando defrontei conjuntos mais fortes.»

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.