Não foi pela honra, nem sequer pelos milhões. O Benfica despediu-se da Liga dos Campeões da mesma forma que começou - sem qualquer ponto somado - e só se pode culpar a si mesmo. Seis derrotas em outros tantos jogos, apenas um golo marcado e 14 sofridos, num grupo composto por Manchester United, CSKA e Basileia, fazem da campanha dos 'encarnados' a pior de sempre por parte de uma equipa portuguesa na prova. Para trás fica a marca do Sporting de 2000/01, que tinha saído da prova com apenas dois pontos.

E nem a motivação de querer mostrar serviço por parte dos jogadores menos utilizados contribuiu para travar um Basileia muito menos letal que no 5-0 na Suíça, ainda assim, eficaz o suficiente para ter feito dois golos das poucas oportunidades que dispôs. A equipa de Raphael Wicky chegou à Luz com a lição bem estudada, fez o que lhe competia, e assim garantiu a presença nos oitavos de final.

Mudam-se as peças, mantêm-se as (poucas) ideias

Um dia antes do encontro com o Basileia, Rui Vitória dizia o seguinte, a propósito da intenção de dar minutos a jogadores que têm estado na sombra: "O que pode acrescentar este jogo é a continuidade do que temos vindo a fazer e, ao mesmo tempo, mudar algumas peças, mas as ideias irão lá estar. Dá também sinal de que não temos só onze jogadores, temos um plantel de qualidade para dar resposta para o que quisermos." Rui Vitória cumpriu e mudou as peças do jogo em todos os setores: na baliza, Svilar entrou para o lugar de Varela; Douglas e Eliseu renderam, respetivamente, André Almeida e Grimaldo; Lisandro substituiu Luisão (manteve-se Jardel); Samaris e João Carvalho entraram para os lugares de Fejsa e Krovinovic (manteve-se Pizzi); e Zivkovic, Diogo Gonçalves e Seferovic ocuparam as posições de Salvio, Cervi e Jonas.

Rui Vitória prometeu e cumpriu: revolução no onze do Benfica para o Basileia
Rui Vitória prometeu e cumpriu: revolução no onze do Benfica para o Basileia
Ver artigo

De tanta rotação, apenas dois nomes sobreviveram, face ao último encontro com o FC Porto. E, de facto, as ideias estiveram lá, ou a falta delas. Tal como nos outros cinco jogos, o conjunto 'encarnado' foi parco em soluções ofensivas, jogando quase sempre a um ritmo médio baixo. Para agravar ainda mais este cenário, o Basileia apresentava-se com três centrais (cinco defesas no total) e só teve de esperar pelo primeiro golo, que surgiu logo aos seis minutos, para recuar as suas linhas, apostando no contra-ataque.

Douglas falhou ao não acompanhar a movimentação de Elyounoussi, que na grande área, após cruzamento de Michael Lang, cabeceou à vontade para o fundo da baliza defendida por Svilar, mas não foi o único. O Benfica parecia querer dar mostras de algum inconformismo, mas os remates de Pizzi e Seferovic e os cabeceamentos de Lisandro e Jardel, na sequência de bolas paradas, teimavam em falhar o alvo.

Esperava-se mais no segundo tempo. João Carvalho ainda tentou a sua sorte ao minuto 50, após boa jogada de Samaris, mas o desvio do jovem médio não foi o melhor. Nessa altura, o Basileia, talvez a par de que o CSKA também estava a vencer em Old Trafford, mostrava-se novamente retraído, concedendo mais espaço ao conjunto 'encarnado'. Mas foi já com Jonas em campo - rendeu Diogo Gonçalves - que os suíços, "matreiros", tal como Rui Vitória tão bem havia apontado, chegaram ao 2-0 (65'): livre à esquerda de Zuffi, com Akanji a amortecer para Oberlin, que, de cabeça, sentenciou a partida.

A partir daqui, pouco ou nada se pode acrescentar às iniciativas dos homens de Rui Vitória. Svilar ainda comprometeu ao minuto 77, quando colocou a bola nos pés de Renato Steffen, mas o suíço acabou por atirar ao lado. A verdade é que não foi o descalabro de Basileia, mas sabendo o que esta derrota significava para o orgulho de uma equipa com o historial do Benfica, não esteve muito longe disso.

Têm a palavra os treinadores

Rui Vitória: "Entramos numa espiral negativa de situações anormais na Champions"
Rui Vitória: "Entramos numa espiral negativa de situações anormais na Champions"
Ver artigo

Rui Vitória (Benfica): "A tristeza é sempre muito grande quando não se ganha. Queríamos que corresse bem, mas entrámos numa espiral negativa, com uma série de situações anormais na Liga dos Campeões e isso manteve-se nos jogos todos. Não se viu muita diferença em relação às outras equipas, mas nós não materializámos, não ganhámos. Agora é virar a página e pensar no próximo jogo, já no sábado, frente ao Estoril".

Treinador do Basileia: "O 2-0 chegou numa fase muito importante, o Benfica estava a pressionar bastante"
Treinador do Basileia: "O 2-0 chegou numa fase muito importante, o Benfica estava a pressionar bastante"
Ver artigo

Raphael Wicky (Basileia): "Os resultados [dos outros jogos] chegaram a estar nos ecrãs do estádio, mas tivemos de nos concentrar no nosso jogo. O 2-0 chegou numa fase muito importante, o Benfica estava a pressionar bastante, era um resultado perigoso, mas depois do segundo golo, a equipa ganhou confiança."

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.