O Benfica está fora da Liga dos Campeões. Os “encarnados” empataram a duas bolas na Luz com o Bayern Munique, em jogo da segunda-mão dos quartos-de-final da prova. Jiménez e Talisca marcaram para o Benfica, Vidal e Mueller para o Bayern. A formação alemã segue para as meias-finais da Liga dos Campeões onde já está o Real Madrid, Manchester City e Atlético Madrid.

Depois da boa exibição no Allianz Arena, o Benfica entrou em campo sabendo que podia dar a volta a eliminatória, depois da derrota por 1-0 na Alemanha. A forma como os "encarnados" travaram o ataque bávaro alimentava as esperanças dos benfiquistas, frente a um adversário muito forte e formado por individualidades que podem decidir uma partida a qualquer instante.

Sem Jonas, castigado, e Gaitán, lesionado, Rui Vitória sabia que a tarefa da equipa era mais complicada, frente a um adversário que o Benfica nunca vence em solo português (dois empates e cinco derrotas). O técnico apostou em Raul Jiménez, jogador com a moral em alta após o golo que deu a vitória em Coimbra. O técnico das "águias" optou por Carcela no lugar de Gaitán e, surpresas das surpresas, deixou Mitroglou no banco, fazendo entrar Salvio. Do outro lado, Pep Guardiola também surpreendeu, ao deixar Lewandowski no banco, optando por entrar com um meio campo mais musculado, formado por Xabi Alonso, Vidal e Thiago Alcântara. Mueller era ajudado na frente por Ribéry e Douglas Costa, numa equipa que tentava chegar às meias-finais da Liga dos Campeões pela quinta vez seguida.

Perante cerca de 65 mil gargantas na Luz, num ambiente fantástico, o Bayern entrou a assumir as despesas do jogo como é habitual, com muita posse de bola. O Benfica defendia atrás e tentava rápidas saídas para o contra-ataque. Mueller aos 19 minutos e Vidal aos 22 deram os primeiros sinais das intenções dos bávaros, em dois lances muito perigosos para a baliza de Éderson.

A resposta do Benfica foi letal. Eliseu fez um centro longo, Jiménez apareceu entre os centrais e cabeceou para golo, provocando a primeira explosão de alegria na Luz. Por estas alturas o Bayern era equipa intranquila, confusa, situação aproveitada pelo Benfica para subir um pouco mais no terreno. Jiménez teve nos pés o 2-0 aos 31 minutos mas o seu remate saiu fraco, para as mãos de Neuer, num lance onde ficou patente a tremideira que ia na defesa alemã.

Ora muitas equipas podem perdoar mas não as alemães. Aos 38 minutos, Lahm centrou na direita, Éderson afastou a bola com os punhos mas esta foi ter com o pé esquerdo de Vidal à entrada da área. O chileno disparou de primeira e fez um golaço, empatando assim a partidaa. Se a missão era dífcil no início, passou a espinhosa já que o Benfica teria de marcar mais dois golos e não sofrer nenhum para passar.

A igualadade trouxe a tranquilidade que faltava na equipa de Guardiola, que passou a ter ainda mais bola, a controlar as operações como gosta.

E logo no regresso, após o intervalo, a formação bávara deu uma "machada final" na eliminatória quando Thomas Mueller fez o 2-1 aos 52 minutos. O internacional alemão aproveitou um primeiro desvio de Javi Martinez para encostar para golo. Mueller tem um gosto especial por marcar aos lusos, ele que tinha feito golos contra a seleção de Portugal e contra Soporting e FC Porto na Liga dos Campeões.

Com vantagem no jogo e na eliminatória, o Bayern soltou-se ainda mais e, tirando partido de algum desacerto do Benfica, criou várias situações para ampliar o marcador. Aos 54 minutos Éderson teve de sair da baliza para tirar a bola a Douglas Costa que já estava isolado. Dois minutos depois foi Ribéry num tiro fortíssimo que saiu um pouco por cima. Aos 61 foi Douglas Costa a atirar ao poste, num lance em que o guarda-redes do Benfica já estava batido.

Rui Vitória foi obrigado a mexer, lançando Gonçalo Guedes e depois Talisca no encontro, para os lugares de Pizzi e Salvio. E foram estes dois que construiram o lance do empate. O extremo disparou em direção à baliza e foi travado por Javi Martinez. O espanhol viu amarelo mas o Benfica queria um cartão de outra cor. Na transformação da falta, Talisca marcou de forma exemplar e bateu Neuer pela segunda vez. Era o segundo golo do brasileiro na prova, ele que já tinha marcado na vitória fora sobre o Zenit, também num jogo onde saltou do banco. Faltavam 15 minutos para o final e as meias-finais estavam a distância de dois golos.

O empate empolgou os quase 65 mil que marcaram presença na Luz e galvanizou os jogadores que saíram à procura da ´remontada`. Talisca ainda ameaçou num livre direto mas viria a ser o Bayern Munique a ter uma soberana oportunidade por Lewandowski, ele que tinha entrado para o lugar de Mueller. O polaco apareceu isolado mas rematou à figura de Éderson. Já nos descontos, Luka Jovic podia ter empatado (entrou para o lugar de Eliseu) mas o seu remate saiu à figura de Neuer.

Nos minutos finais e após o apito final os adeptos brindaram os jogadores com uma enorme ovação. O Bayern segue para as meias-finais da Liga dos Campeões onde já está o Real Madrid, Manchester City e Atlético Madrid.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.