Bruno Lage fez a antevisão do jogo com o Zenit, da 6.ª jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões. O técnico abordou a morte de Rogério Pipi, uma das glórias do Benfica, para lembrar que é preciso colocar o Benfica no trilho dos triunfos a nível internacional, de forma a recuperar aquilo que o clube já foi no passado.

Morte de Rogério Pipi pode servir de motivação? "Não sei se [a morte de Rogério Pipi] pode servir para motivar os jogadores, eles são muito jovens. Mas perde-se uma referência a nível nacional, do Benfica nacional mas também internacional. Desse Benfica que nós trabalhamos todos os dias para voltar a ser: ter um registo bom a nível internacional. Mas perde-se uma referência e temos de olhar para o passado mas sempre com a ideia de um da ter um futuro tão brilhante como já tivemos no passado."

Agarrados ao passado: "O Pizzi disse-o há pouco, a nossa mentalidade, leva-nos a ficar agarrados ao passado. O Pizzi está a fazer a sua melhor época de sempre e metade das perguntas foram sobre os jogos que ele não jogou."

Passado do Benfica na Europa: "O Benfica foi grande e tem de voltar a ser grande em termos internacionais. Os jogadores que cá entram têm de conhecer o passado, saber o que é a grandeza do clube e trabalhar arduamente para voltar a ser. Qualquer indivíduo, seja jogador, diretor, treinador, qualquer indivíduo tem de pensar nisso. "

Sem medo de jogar: "O nosso maior adversário é estarmos muito preocupados com as consequências das nossas ações e isso leva ao medo. A equipa quando não tem medo, encara cada jogo como uma oportunidade. Esse tem de ser o nosso desafio, a nossa mentalidade, deixar de parte o passado de sentimentos e olhar para cada oportunidade como forma de conquistar coisas que ainda não foram conquistadas. É nisso que temos de estar focados e orientados porque a qualidade está lá."

O Benfica joga na terça-feira a continuidade na Europa do futebol, precisando de vencer, no mínimo, por 2-0 na receção ao Zenit, na sexta e última jornada do Grupo G da Liga dos Campeões, para não depender de terceiros. Já afastado da próxima fase da Liga dos Campeões, o Benfica ainda mantém esperança de seguir para os 16 avos de final da Liga Europa, mas para isso tem de vencer a equipa de São Petersburgo por 2-0, ou por três golos de diferença, se também sofrer.

Uma vitória por números inferiores deixa o clube lisboeta dependente de uma derrota do Lyon na receção ao já apurado Leipzig, líder do grupo, com 10 pontos, mais três do que os russos e os franceses e mais seis do que os 'encarnados'.

O encontro está marcado para às 20h00 desta terça-feira na Luz e terá arbitragem do espanhol Mateu Lahoz, árbitro que será auxiliado por Pau Cebrián Devís e Roberto del Palomar. Alejandro Hernández estará no VAR, assistido por Ricardo de Burgos, e Santiago Jaime Latre será o quarto árbitro.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.