Michele Uva, vice-presidente da UEFA, falou à rádio 'Kiss Kiss' sobre a possibilidade de os adeptos irem aos estádios na fase final da Liga dos Campeões e explicou a razão por trás da escolha de Lisboa como palco dos encontros.

"É uma fórmula de emergência. Entre 2021 e 2024, será retomado o formato normal. Foram avaliadas muitas opções nestes últimos meses, colocando em primeiro lugar a saúde de jogadores, staff e jornalistas. A escolha recaiu em Lisboa porque recebemos determinadas garantias. Não há equipas portuguesas nos quartos-de-final e isso faz com que se torne um campo neutro para todos. Como italiano, espero que haja uma final totalmente italiana, mas sei que não é fácil", admitiu Michele Uva.

Quanto ao público nos estádios, o 'vice' da UEFA diz que essa decisão não cabe ao organismo que tutela o futebol europeu. "Estamos a dois meses da final. Não vai depender da UEFA, mas sim do país anfitrião. Seria um sonho para toda a gente. A decisão tem de ser tomada pelos organismos competentes", rematou.

A ‘casa' do Benfica vai ser o palco da final, em 23 de agosto, em detrimento do Estádio Olímpico Ataturk, em Istambul, na Turquia, depois de os jogos das meias-finais, em 18 e 19, e dos quartos de final, entre 12 e 15, serem disputados entre Estádio da Luz e Estádio de Alvalade.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.