O Benfica perdeu por 1-0 com o Zenit e está fora das competições europeias, depois da vitória do Mónaco no terreno do Leverkusen. A equipa de Jesus pode lamentar-se dos golos falhados em São Petersburgo.

O Benfica viajou até a Rússia, proibido de perder, sob pena de ficar de fora da Champions. Jesus montou a melhor equipa possível, com Lima na frente, Salvio, Talisca, e Gaitán nos apoios. André Almeida foi o escolhido para a lateral esquerda para "travar" Hulk. Uma batalha ganha pelo português.

Sob temperaturas negativas (-2 graus no início do jogo), o Zenit entrou à procura do golo. Na marcação de um livre, Hulk obrigou Júlio César a socar para a frente. Gerou-se uma confusão na área, com o guarda-redes a recuperar a bola. Depois foi Jardel a perder a bola em zona perigosa, com Hulk a embalar para a área mas a perder imenso tempo na hora de rematar. Jardel recuperou e fez o corte.

As duas equipas, atuando em 4-2-3-1, jogavam com linhas muito juntas e blocos muito altos, o que obrigava a grandes lutas no meio-campo pela posse da bola. Daí as muitas faltas e muito amarelos na primeira parte (três para cada lado). Era notório também o nervosismo dos jogadores, com muitas perdas de bola. Ninguém arriscava muito, era mais o medo de perder do que ganhar.

O Benfica foi subindo de rendimento e passou a controlar a partida. Apesar de não criar muito perigo, ia parando o ataque dos russos. Num dos ataques, Talisca combinou com Gaitán, este cruzou para Sálvio que, isolado, rematou contra o corpo de Lodygin. Era a melhor oportunidade em todo o jogo, aos 38 minutos. No minuto anterior, o mesmo Salvio tinha combinado com Gaitán mas o seu cruzamento não chegou a Lima.

No segundo tempo o Benfica veio com outras ideias e conseguiu ganhar o meio-campo. Entrou forte e poderia ter marcado aos 48 minutos, quando Luisão rematou torto, depois de aparecer isolado perante Lodygin. Mais uma oportunidade falhada. Mais tarde seria Gaitán a fazer tudo bem na esquerda, a cruzar para a pequena área mas não apareceu ninguém para o desvio fatal.

Villas-Boas, que já tinha perdido Lombaerts e Javi Garcia, ambos com problemas musculares, (entraram Neto e Fayzulin), viu a sua equipa crescer no jogo. Muito por culpa de uma certa desorientação do Benfica, que perdeu imensas bolas na zona defensiva. Depois de André Almeida ter tirado o golo a Hulk, num lance de contra-ataque, o Zenit chegou ao golo aos 79 minutos. Hulk cruzou para a área onde apareceu Danny a desviar para golo. Muito espaço dado aos jogadores da equipa russa.

Jesus tentou dar a volta ao jogo, lançando Ola John (já tinham entrado Derley) para o lugar de Samaris, mas não foi a tempo de sequer empatar. Nos descontos, Luisão viu o segundo amarelo, foi expulso e falha o jogo com o Leverkusen, tal como Samaris, que viu amarelo.

O Benfica fica assim eliminado das provas da UEFA e irá terminar o Grupo C no último lugar. Isto porque o Mónaco venceu o Leverkusen por 1-0 e fez oito pontos, contra quatro dos "encarnados". Zenit tem sete mas não poderá ser alcançado pelo Benfica. Em cinco temporadas com Jesus no comando da equipa, apenas por uma vez os “encarnados” passaram da fase de grupos da Champions.

*Artigo atualizado às 21h40.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.