Jorge Jesus fez, na manhã desta quarta-feira, a antevisão do encontro com o Arsenal, da primeira mão dos 16 avos de final da Liga Europa.

Um encontro que o Benfica jogará como anfitrião, mas em Roma, em virtude das restrições ditadas pela COVID-19. Jesus abordou esse aspeto, alertou para a qualidade que os 'gunners' têm na frente de ataque e para a consistência defensiva que os seus pupilos terão de apresentar, mas mostrou-se confiante de que as 'águias' podem surpreender o conjunto londrino.

Os problemas que o Arsenal pode colocar

"Sabemos o valor que temos e queremos ser uma equipa que possa surpreender o Arsenal. Vai ser importante sermos bem estruturados defensivamente, para podermos anular aqueles jogadores que o Arsenal tem, individualmente muito fortes, como o Lacazette e o Aubameyang".

Recuperação de Gilberto

"O Gilberto hoje vai treinar, vamos ver as indicações que vai dar, e se estiver clinicamente recuperado vai ser convocado, porque só esteve três ou quatro dias sem treinar e fisicamente estará bem."

Problemas defensivos da equipa

"É verdade que temos sofrido muitos golos, mas também é verdade que nos últimos jogos temos melhorado a organização coletiva. Temos falhado aqui e ali individualmente. A possibilidade de jogarmos com três centrais, face à capacidade de movimentação dos avançados do Arsenal, pode ser uma solução, mas ainda não decidi. Mas não tenho dúvida que vamos estar bem organizados defensivamente para disputar esta primeira mão."

Liga Europa como tábua de salvação?

"Não há tábuas de salvação. Entrámos para esta Liga Europa e fizemos uma fase de grupos muito boa, sem perder jogo nenhum. Temos o objetivo de chegar o mais longe possível. Vamos defrontar um adversário que certamente também terá esse objetivo e ainda bem que aqui estamos. É sinal que estamos a competir na Liga Europa. Não se trata de tábuas de salvação. Trata-se de um projeto. Queremos ir o mais longe possível, temos feito por isso e agora temos de continuar a fazer, para que na próxima eliminatória ainda aqui possamos estar."

Jogar "em casa" fora

"É verdade que os golos fora têm muita influência, mas não é isso que vai mudar a nossa forma e a nossa ideia de jogo. Pode alterar algo em termos defensivos, não sendo aquela equipa com tantos avançados como somos normalmente no campeonato português. Sabemos que a equipa do Arsenal tem um ataque muito poderoso, com muita qualidade individual, e temos de encontrar o equilíbrio para que as coisas se tornem mais fáceis para a nossa equipa. Mas só uma boa organização defensiva não chega. Temos de saber afetar o adversário quando tivermos bola".

Jogar com três centrais e possibilidade de Rafa fazer o corredor direito

"Seria uma hipótese interessante, mas não a trabalhámos ainda."

Embate entre dois favoritos a conquistar a prova

"É um embate de Champions e ao longo desta Liga Europa vai haver muitas equipas de Champions. Temos capacidade para dividir esta eliminatória nos dois jogos."

Qual a melhor forma de atacar o Arsenal

"Temos jogadores com características diferentes na frente e as opções são feitas em termos de estratégia tática que possa dar mais mobilidade, ou que possa dar mais presença física na área."

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.