“Não vamos abrir nenhuma investigação sobre o senhor Maradona”, disse laconicamente o porta-voz da FIFA Nicolas Maingot.

O seleccionador argentino Diego Maradona voltou a causar polémica quarta-feira ao remeter “para o museu” dois dos seus “inimigos figadais”, o “rei” Pelé e o actual presidente da UEFA, Michel Platini, por estes o terem criticado.

“Não me surpreende que Pelé tenha falado de mim, ele que volte para o museu”, respondeu Maradona quando desafiado a comentar as declarações do antigo astro brasileiro.

Maradona mantém com este uma acesa rivalidade de décadas e que tem dividido opiniões entre argentinos e brasileiros sobre quem é o melhor jogador do mundo de todos os tempos.

Em relação às críticas de Michel Platini, o seleccionador argentino também não se mostrou surpreendido: “Sempre tive uma relação distante com ele. A gente sabe como são os franceses, Platini é francês, eles acham-se mais do que os outros e, por isso, nunca lhe dei bola”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.