O selecionador da Argentina rejeitou a hipótese de se demitir do cargo que ocupa, depois dos sul-americanos terem sido eliminados do Mundial 2018 frente à França.

"A eliminação é muito dolorosa. Os jogadores deram tudo e foi um jogo muito difícil. Não conseguimos cumprir os nossos objetivos. Estou frustrado, acho que isso é normal. Estou convencido de que este é o lugar onde quero estar, não vou demitir-me nem fugir. Não estou a pensar nessa possibilidade", começou por dizer aos jornalistas após a partida.

"Tudo isto é muito recente, por isso é ainda cedo para analisar erros em concreto que possamos ter feito. Sabíamos o que queríamos fazer hoje, mas isto é futebol. Hoje jogámos com uma equipa muito rápida em transições, e conseguimos uma reviravolta, mas depois em pouco tempo, num período muito estranho, acabámos por perder a vantagem", acrescentou.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.