Fernando Gomes esteve na Assembleia da República onde abordou o estado atual do futebol em Portugal. Entre o clima de crispação, medidas apresentadas e o estado atual da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), as palavras do dirigente surgem após a nota que escreveu, onde defendia o fim do clima de crispação no futebol.

Com vários temas na sua intervenção, Fernando Gomes falou durante mais de uma hora perante os deputados da Assembleia da República. Confira 10 ideias-chave do discurso do presidente da FPF.

Reduzir o clima de crispação

- Ideia base do discurso e o principal motivo para a ida de Fernando Gomes à Assembleia da Republica. A ideia não é de agora e o presidente da FPF voltou a abordar o tema dizendo que é necessário baixar o clima de crispação que existe no futebol português. O dirigente voltou a não deixar nomes como há um mês quando o artigo que escreveu foi publicado no jornal A Bola, mas garante que há sinais de alarme no dia-a-dia.

Criação de uma autoridade para a segurança e combate à violência

- Uma das principais medidas propostas, a criação de uma autoridade administrativa exclusivamente vocacionada para a segurança e o combate à violência no desporto. Fernando Gomes afirmou que esta nova autoridade seria dotada de recursos e não apenas de nomeações, para que fosse eficaz na luta contra a violência.

Cursos de treinador para quem estiver no banco de suplentes

- Outra das medidas apresentadas por Fernando Gomes é a obrigatoriedade de qualquer pessoa que vá para o banco de suplentes de uma equipa ter um curso de treinador. O presidente da FPF vai longe e assegurou que a exigência vai aumentar: “A FPF vai aumentar a exigência em relação aos dirigentes desportivos, obrigando a um curso de formação para todos os que se sentarem no banco em competições nacionais”, afirmou.

Fan ID à semelhança do que foi utilizado na Taça das Confederações

- Fernando Gomes apresentou uma ideia que foi novidade na Taça das Confederações na Rússia e que é visto como uma sugestão para o futebol português. O Fan ID, uma espécie de identificação para cada adepto, tem como principal objetivo facilitar a monitorização dos adeptos.

Atenção especial a adeptos problemáticos

Os adeptos problemáticos ou com historial de violência não foram esquecidos pelo presidente da FPF que admite uma maior atenção sobre os mesmos. Fernando Gomes quer mais eficácia na interdição a recintos desportivos por parte de adeptos que levantem questões de segurança ou que sejam classificados como problemáticos.

Proteção especial para os árbitros

Num discurso sobre o estado do futebol em Portugal, Fernando Gomes abordou a arbitragem. O presidente da FPF quer regulamentos mais duros de modo a proteger os árbitros e reiterou que o setor da arbitragem tem sido um dos mais problemáticos.

“Na nossa opinião, devemos ter regulamentos mais duros, que inibam as pessoas do futebol de contribuir para a destruição do setor em que trabalham. Muitas das mais violentas insinuações e acusações são feitas às equipas de arbitragem. Em Portugal temos um problema grave de relação com a arbitragem”.

Campeonato da Europa mais difícil do que lutar contra a violência

Uma das afirmações mais fortes de Fernando Gomes na Assembleia da República dá conta da dificuldade da FPF em lutar contra a violência no desporto. De acordo com o dirigente da Federação, conquistar um título de Campeão da Europa (como Portugal fez em 2016) é extremamente mais difícil do que o combate à violência.

“Não acredito que não seja possível projetar algumas alterações através desse contributo. Ser campeão da Europa é muito mais difícil do que lutar contra a violência, mas tenho otimismo em relação a essas questões”.

Demasiados comentadores em tom bélico

Os comentadores e os programas de debate desportivos também foram um dos temas visados por Fernando Gomes. O presidente da FPF defendeu que há demasiados em horário nobre e com um tom bélico demasiado forte sem intervenção da Entidade Reguladora da Comunicação.

“Até hoje não vimos a ERC intervir nesse espaço. Esse conjunto de programas de grande audiência não contribui para um melhor futebol”.

Legalização das claques

Fernando Gomes defendeu a legalização das claques e de sócios organizados. Na Assembleia da República, o presidente da FPF afirmou que esta é uma convicção bem forte dentro da gestão da federação.

“Todos os grupos organizados de adeptos devem ser legalizados. Estou de acordo com isso e nós na FPF estamos de acordo com isso. Agora, também não é a nós que nos compete, por exemplo, receber um registo de uma claque que tenha 11 membros registados. Não me venham dizer que isto é uma claque devidamente organizada e registada”.

Situação geral da Federação Portuguesa de Futebol

A fechar, Fernando Gomes deixou ainda uma visão geral do trabalho que tem sido feito nos últimos anos. As qualificações para torneios internacionais foram visadas, bem como os resultados alcançados.

“Somos campeões da Europa. Não falhámos nenhum apuramento no século XXI. Somos a Seleção número 3 do Mundo. O nosso Cristiano Ronaldo voltou esta semana a ser eleito o melhor futebolista do planeta. Temos seis dos 32 treinadores da fase de grupos da Liga dos Campeões. Somo um País que acolhe, desenvolve e exporta talento, habituado a conseguir muito com pouco dinheiro.”

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.