À procura de riscar o crónico rótulo de ‘aflito’ na fuga à despromoção, o emblema do concelho de Santo Tirso segurou o experiente Augusto Inácio e promoveu uma ‘revolução’ no plantel, com 17 reforços, aos quais se juntaram 19 atletas oriundos da equipa sub-23, detentora da Liga e da Taça Revelação, compensando a perda de nove titulares.

Em plena reconstrução, os avenses consentiram sete derrotas nas primeiras oito jornadas e optaram pela saída do técnico lisboeta em outubro de 2019, entregando o comando interino a Leandro Pires, que ‘saltou’ dos sub-23 para manter a tendência negativa nos três jogos anteriores à aposta em Nuno Manta Santos.

O treinador foi anunciado à passagem da 12.ª ronda, dois dias após deixar o Marítimo, o único clube que tinha perdido na Vila das Aves (3-1), onde os nortenhos obtiveram mais dois triunfos na primeira volta (1-0 ao Sporting de Braga e 3-0 ao Portimonense), sem nunca se afastarem da zona de descida, na qual se fixaram desde a quinta jornada.

Aportando cinco caras novas no mercado de inverno, o Desportivo das Aves ganhou três pontos na visita ao Marítimo (2-1), embora intercalados com desaires caseiros frente ao Boavista (0-1) e ao Rio Ave (0-4), que deram o mote para uma segunda volta penosa, traduzida na acumulação de oito pontos em 51 possíveis e um rol de problemas internos.

As limitações do plantel intensificaram-se com a contestação à SAD liderada pelo chinês Wei Zhao, responsável por sucessivos incumprimentos salariais desde o início do ano, que originaram 10 rescisões unilaterais a partir de abril, a primeira do avançado brasileiro Welinton Júnior, o melhor marcador, com 10 golos em 25 jogos.

Mesmo sem deduções pontuais, o Desportivo das Aves teve uma despedida atribulada da I Liga e ameaçou faltar às duas últimas rondas, mas os anseios da administração tropeçaram no empenho do clube presidido por António Freitas, que organizou a receção ao Benfica (0-4) e suportou diversas despesas na visita ao Portimonense (0-2).

Os nortenhos sofreram com o declínio do dianteiro Mehrdad Mohammadi (oito tentos em 28 desafios) na era pós-covid e remeteram-se ao 18.º e último posto, com 17 pontos, outros tantos abaixo da zona de salvação, e o estatuto de pior ataque e defesa (24-68 em golos).

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.