O início do jogo ficou marcado pelas homenagens. Primeiro, o estádio fez silêncio durante 1 minuto em memória do desaparecimento do antigo guarda-redes do Benfica Robert Enke.

Em seguida foi a vez de Pauleta ser homenageado pela sua longa carreira.

Quanto ao jogo, os “encarnados” apresentaram-se com um onze cheio de novidades, já que Jorge Jesus aproveitou o jogo com os açorianos para utilizar jogadores menos utilizados.

Ainda assim, o Benfica entrou a bom ritmo embora fosse visível a falta de entrosamento entre sectores.

Sempre disponível, Urreta foi dos mais irrequietos durante o primeiro tempo e saíram dos seus pés algumas das jogadas mais bem construídas dos “encarnados”.

Numa dessas jogadas, Keirrison aproveitou para inaugurar o marcador, num excelente remate à meia volta.

Na segunda parte, o Santa Clara entrou mais forte e logo aos seis minutos Tatu fez o tento da igualdade.

Seguiu-se um jogo nem sempre bem jogado, marcado pelas substituições e em que o Santa Clara podia ter resolvido o jogo a seu favor. Contudo, o empate manteve-se até final e tudo se decidiu na “lotaria” dos pénaltis.

Aí, o Benfica foi mais forte e sem falhar nenhuma grande penalidade (5-3) conquistou mais um troféu esta época . O sexto, depois das várias conquistas na pré-época.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.