O Benfica conseguiu, 31 anos depois, voltar a sagrar-se bicampeão nacional de futebol, ao vencer uma 81.ª edição da I Liga que liderou isolado desde a quinta jornada, depois de não partir como favorito.

A saída de muitos titulares e o forte investimento do FC Porto, na tentativa de impedir o ‘bis’ dos ‘encarnados’, fizeram temer o pior para os lados da Luz, só que Jorge Jesus voltou a ser mestre na arte de descobrir soluções.

Por seu lado, os ‘dragões’ apostaram tudo em Julen Lopetegui e falharam, ficando-se pelo segundo posto, à frente de um Sporting que se assumiu como candidato, mas nunca mostrou qualidade para acabar com uma ‘seca’ que dura desse 2002.

Sem dar luta aos ‘grandes’, o Sporting de Braga foi o melhor dos ‘pequenos’, rumando à Liga Europa, juntamente com Vitória de Guimarães e Belenenses, enquanto o Gil Vicente, cinco anos depois, e o Penafiel, que só durou um, ‘caíram’ à II Liga.

Campeão nacional folgado na época passada, com mais sete pontos do que o Sporting e 13 face ao FC Porto, o Benfica partiu a I Liga 2014/15 em dificuldades, face ao adeus de Oblak, Garay, Siqueira, Markovic, Rodrigo, André Gomes e Cardozo, sem esquecer a lesão de longa duração Fejsa.

Com a manutenção de Maxi Pereira, Luisão, Jardel, Enzo Perez, Gaitán e Lima, o regresso de Pizzi e as contratações de Júlio César, Samaris, Talisca, Eliseu e - a acabar, numa aposta determinante, a custa zero - Jonas, o técnico ‘encarnado’ construiu um coletivo forte, unido e competitivo.

A equipa demorou a render, mas, curiosamente, efetuou uma primeira volta quase perfeita ao nível dos resultados, cedendo apenas um empate (1-1 com o Sporting) e uma derrota (1-2 em Braga), em dois jogos que esteve a vencer.

Entre os 15 triunfos, destaque para o 2-0 no Estádio do Dragão, com dois golos de Lima, que foi decisivo para os comandados de Jorge Jesus fecharem a primeira metade seis pontos à frente do FC Porto. O Sporting seguia a 10.

Na primeira ronda da segunda volta, os ‘encarnados’, já sem Enzo, podiam ter ‘acabado’ com o campeonato, conquistando um avanço de nove pontos, mas três bolas nos ‘ferros’, uma num penálti de Lima, custaram o desaire em Paços de Ferreira.

Ainda assim, o Benfica nunca perdeu alguma margem de conforto, conseguindo ‘arrumar’ em definitivo o Sporting – manteve-se sete pontos à maior -, à 20.ª ronda, com um golo de Jardel aos 90+4 minutos, em Alvalade (1-1).

O FC Porto passou a ser o único adversário e não soube aproveitar, na totalidade, o último desaire do Benfica, em Vila do Conde (1-2), à 26.ª ronda. Jogando logo a seguir, o ‘onze’ de Lopetegui mostrou não ter ‘estofo’ no reduto do Nacional, ao ficar-se por um empate a um.

Depois, no denominado ‘jogo do título’, à 30.ª jornada, o Benfica garantiu, praticamente, o cetro, com um pragmático empate a zero. O ‘bis’, o terceiro título em seis anos, o 34.º, foi selado à penúltima ronda, com a última ‘ajuda’ portista.

Sem nunca se conseguir aproximar ‘demasiado’ do Benfica, o FC Porto também nunca teve em perigo o segundo posto, que vale o acesso direto à ‘Champions’, tal a sua clara superioridade face ao Sporting.

Um 3-0 caseiro face aos ‘leões’, com um ‘hat-trick’ de Cristian Tello acabou bem cedo, à 23.ª ronda, com as dúvidas, com o Sporting também a selar tranquilamente o terceiro posto, face ao forte abaixamento do Sporting de Braga, que, a determinado momento, passou a pensar apenas na final da Taça.

A formação de Marco Silva apenas perdeu dois jogos, menos um do que o Benfica e os mesmos do FC Porto, mas cedeu muitos pontos frente aos ‘pequenos’ e não ganhou aos ‘grandes’.

Sob o comando de Sérgio Conceição, os ‘arsenalistas’ prometeram o ‘top 4’ e cumpriram, ao conquistarem o quarto lugar, atrás de um Sporting que vão encontrar no Jamor.

O Vitória de Guimarães, de Rui Vitória, também conseguiu regressar à Europa, tal como outro histórico, o Belenenses, apesar de ter ‘despachado’ Lito Vidigal.

Sem Europa, um claro objetivo, ficaram os insulares Nacional (sétimo) e Marítimo (nove), que tudo comprometeram na primeira volta, sendo que, pelo meio, no oitavo posto, ficou um Paços de Ferreira renascido com o regressado Paulo Fonseca.

O Rio Ave (10.º lugar) e o Moreirense (11.º) fizeram épocas tranquilas, selando bem cedo a manutenção, tal como o Estoril-Praia (12.º), sem ‘armas’ para selar uma terceira presença europeia consecutiva.

No 13.º lugar, ficou o sensacional Boavista, de Petit, que era apontado inicialmente como condenado à descida e conseguiu a manutenção, depois do regresso administrativo.

O sempre irregular Vitória de Setúbal, a Académica, com os ‘milagres’ de José Viterbo, e o Arouca também se salvaram, enquanto o Gil Vicente e o Penafiel caíram, muito cedo ‘afundados’ nos dois últimos lugares.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.