O Benfica venceu o Nacional da Madeira por 4-2 em jogo da 23.ª jornada da I Liga. Candeias e Djaniny fizeram os tentos dos alvinegros, Garay (2), Lima e Rodrigo marcaram para os encarnados, que não perdem há 25 jogos. Equipa de Jorge Jesus continua com sete pontos de vantagem sobre o Sporting mas agora com 12 sobre o FC Porto.

Numa das deslocações mais complicadas até ao final da época, o Benfica entrou mal mas corrigiu a tempo de embalar para uma exibição soberba, principalmente da linha avançada, onde Markovic, Gaitán, Rodrigo e Lima fizeram estragos.

Manuel Machado montou um onze vocacionado para a frente, com João Aurélio a lateral direito, Gomaa e Diego Barcelos no meio-campo, no apoio a Djaniny, Rondón e Candeias. E foi Candeias quem abriu o ativo aos cinco minutos, (veja o golo) na transformação de uma grande penalidade, fazendo o terceiro golo no campeonato. O extremo cruzou para a área, Manuel Mota considerou que Luisão cortou a bola com o braço e apontou para a marca do castigo máximo (Veja o lance!)
Os Nacionalistas entraram bem e continuaram a pressionar o Benfica, que não conseguia sair para o ataque. A partir dos 15 minutos, a formação de Jorge Jesus pegou no jogo, passou a controlar as operações e em 25 minutos marcou três golos.
O empate surgiu aos 24 minutos por Lima, a rematar para a baliza de Gottardi após passe de Rodrigo. Destaque para o cruzamento de Markovic na direita. Antes, Rodrigo já tinha estado perto do golo mas o remate foi para fora. (Veja o golo de Lima).
O Benfica vai dar a volta ao marcador aos 33 minutos, numa "bomba" de Rodrigo. (O golo de Rodrigo) O hispano-brasileiro saiu da esquerda, fletiu para o meio e rematou forte, de pé esquerdo, ao ângulo da baliza. Com o Nacional perdido em campo, o Benfica aproveitou para fazer o 3-1 por Garay, num remate de cabeça ao segundo poste, depois de um canto de Enzo Pérez (Veja o golo de Garay).
Manuel Machado, que já tinha perdido Ghezal no início da primeira parte, tentou dar a volta ao encontro, com as entradas dos avançados Lucas João e Reginaldo, pra os lugares de Rondón e Diego Barcelos.
O Benfica entrou mais lento no segundo tempo e, se calhar, já a pensar no jogo de quinta-feira com o Tottenham, recuou no terreno, deu iniciativa aos madeirenses para depois sair em contra-ataque. Num desses lances, Markovic esteve perto do golo, após centro de Gaitán mas o desvio saiu ao lado.
Quando nada fazia prever, o Nacional vai reduzir e relançar a partida aos 80 minutos. Candeias fez um passe longo, Luisão e Oblak hesitaram. Aproveitou Gomaa para colocar na área onde apareceu Djaniny a bater o guarda-redes esloveno, marcando assim à antiga equipa. (O golo de Djaniny).
Com dez minutos para jogar, o Benfica defendeu como pôde, com o Nacional à procura do empate a todo o custo. Os madeirenses criaram imenso perigo em lances pelo ar na área benfiquista.
E numa altura em que o Benfica fazia contenção de bola, Garay aproveitou um centro de Sílvio para cabecear para o fundo da baliza, aos 89 minutos. Este golo sentenciou o jogo e acabou com as aspirações do Nacional em chegar ao empate. (O segundo golo de Garay no jogo).
O Benfica sofre dois golos, algo que não acontecia há muito tempo mas mantém a vantagem para o Sporting em sete pontos. O FC Porto já está a 12 pontos dos encarnados. Já o Nacional continua com três pontos de vantagem sobre o SC Braga, sexto colocado.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.