O presidente do Sporting insurgiu-se esta terça-feira contra a falta de ação da Federação Portuguesa de Futebol e da Liga de Clubes nos alegados casos de corrupção no futebol português e acusa mesmo os dois organismos de servirem de força de bloqueio ao trabalho da polícia.

Em declarações na gala dos Prémios Stromp, Bruno de Carvalho voltou a abordar a necessidade de uma limpeza no futebol português e exigiu a intervenção das autoridades no sentido de apurar responsabilidades.

"Tudo vale, tudo vai passando impune. Tenho exigido ao longo destes cinco anos à Federação e à Liga para que atuem em conformidade, mas estas nada fazem a não ser meras atuações de cosmética. Não atuam nem querem que o Governo atue e, com esta forma de agir, tornam-se forças de bloqueio que impedem a própria polícia de fazer o seu trabalho. Já é demasiado grave, mas receio que o pior ainda esteja para vir. O futebol não se consegue auto-regular. Está na hora de saírem da sua zona de conforto, deixarem de se preocupar com os votos e fazerem aquilo para que foram eleitos. Não podemos pactuar mais com estas técnicas mafiosas. Exigimos uma intervenção de fundo por quem de direito", disse Bruno de Carvalho.

"Se não nos unirmos, não conseguiremos atingir os grandes pilares do Sporting: verdade desportiva, transparência, modernização e credibilização do desporto. Está na hora de mostrar que não aceitamos mais viver na idade das trevas do futebol português", sentenciou Bruno de Carvalho.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.