Bruno Lage antecipou, esta sexta-feira, o encontro frente ao Santa Clara a contar para a 11.ª jornada da I Liga. Questionado sobre as diferentes no campeonato e na Liga dos Campeões, e porque deixou Pizzi e André Almeida de fora da partida frente ao Lyon, o técnico teve uma forma peculiar de justificar as suas escolhas.

"Quando vencemos não se levanta essa questão (...) São opções. Já falamos tanto da Liga dos campeões...passam por mim pela minha forma de pensar e ver e seguimos e eventualmente amanhã fazemos análise a avaliação das coisas", justificou antes de contar uma história sobre o seu percurso profissional.

"Tenho 43 anos e terminei o curso há 23 anos. Quando tirei o curso, entre 15 a 20 colegas foram dar aulas. Eu não fui, tentei investir ao máximo na carreira de treinador. Muitos colegas me diziam...Vais para o futebol e ganhar 100 ou 200 euros no início de carreira. Nós vamos ganhar 1000 e tal euros. Enquanto professores já estamos a ganhar 1200 e 1400 euros'. Eu pensei pela minha cabeça cheguei ao Benfica com 27 anos, fiz um percurso por fora. Vim para o Benfica e a certa altura disse que precisava de um projeto. Todos os colegas me diziam. 'Ninguém sai do Benfica'. Eu pensei pela minha cabeça, fui à minha vida porque precisava de outro desafio. Estive no Dubai, com o Carvalhal em Inglaterra. Recebi o convite do Benfica e voltaram-me a dizer 'Vais abandonar a Premier League para ires para a segunda divisão?' E eu pensei pela minha cabeça, tomei as minhas decisões. São 20 anos a pensar pela minha cabeça. Um miúdo que saiu de adjunto do V. Setúbal e agora está aqui. Quer um dia olhar para atrás e quero olhar para o meu percurso, sempre a pensar pela minha cabeça"

O Santa Clara recebe, este sábado, o Benfica. A partida arranca às 18h00.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.