83 anos depois, o Casa Pia está de regresso ao principal escalão do futebol português e o SAPO Desporto esteve à conversa com a diretora de comunicação do clube lisboeta. Catalina Ramirez é colombiana, e uma das poucas mulheres a ocupar este cargo na Primeira Liga.

Depois de acompanhar os 'Gansos' na subida ao primeiro escalão do futebol nacional, Catalina não encontra grandes diferenças entre Primeira e Segunda Liga, no que à comunicação diz respeito.

"Não vimos grande diferença. A Segunda Liga já é uma liga profissional, por isso os métodos e procedimentos são praticamente os mesmos, o que muda é o palco. O rigor e dedicação que aplicamos no nosso trabalho continua a ser exatamente o mesmo e procuramos melhorar todos os dias", afirmou.

O Casa Pia foi fundado em 1920 e tem associado à sua história nomes do jornalismo desportivo como Cândido de Oliveira ou Ricardo Ornelas. Para Catalina Ramirez, o nome de Ricardo Ornelas constitui um referência no modo como se trabalha a comunicação do clube.

Ricardo Ornelas foi fundador do Casa Pia e o príncipe do jornalismo desportivo. Foi um homem que sempre defendeu a ética e o rigor no desporto, e nós hoje procuramos usar o seu exemplo como referência; é sem dúvida um dos pilares da nossa comunicação", sublinhou Catalina.

Apesar do futebol ser considerado um desporto de vincada índole masculina, Catalina Ramirez olha com otimismo para o caminho da mulher no desporto-rei até ao momento, valorizando o trabalho feito, principalmente nos bastidores.

"De facto as mulheres estão a fazer o seu caminho no mundo do futebol. Existem cada vez mais e, na maioria dos casos, não são necessariamente quem surge em destaque à frente das câmaras ou na primeira linha dos eventos futebolísticos. Todavia, o trabalho que fazem nos escritórios, nos bastidores e nos restantes departamentos é precioso e fundamental para o bom funcionamento dos clubes. Espero que surjam mais mulheres no futebol num futuro próximo", referiu.

Perante esta perspetiva, Catalina não encontra qualquer diferença entre a relevância do homem e da mulher no futebol, na medida em que ambos cumprem com as suas tarefas.

"Não existe qualquer diferença. A importância da mulher no futebol é igual à do homem. A mulher faz o seu trabalho do mesmo modo que o homem faz o dele", concluiu.

Catalina Ramirez esteve ligada à vertente de acessoria e marketing digital do clube. Os bons resultados alcançados no aumento da visibilidade do clube nas redes sociais e em termos de comunicação institucional, levaram a direção dos 'Gansos'  a convidá-la para o cargo diretora de comunicação.

O campeonato de todas as decisões já começou e resta aos 'Gansos' lutar para que o vôo seja o da manutenção ou, quem sabe, algo mais na Primeira Liga. Saiba mais na reportagem SAPO Desporto aqui.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.