O Conselho de Justiça (CJ) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) negou razão ao Marítimo no caso em que clube insular acusou o FC Porto de aliciar o avançado brasileiro Kléber de forma ilegal.

Em acórdão datado de 30 de agosto, a que a Lusa teve acesso, o CJ decidiu manter a deliberação da Comissão Disciplinar da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, que em junho passado já tinha mandado arquivar o processo de inquérito instaurado na sequência da queixa do Marítimo, e da qual o clube do Funchal recorreu.

O CJ entende que não houve violação dos regulamentos por parte do FC Porto, uma vez que Kléber estava emprestado pelo Atlético Mineiro ao Marítimo e que os direitos económicos do jogador pertenciam ao clube brasileiro, com quem os portistas negociaram a transferência.

Cedido ao Marítimo nas época 2009/10 e 2010/11, Kléber teve conhecimento do interesse do FC Porto em junho de 2010 e ter-se-á recusado a treinar durante o estágio da pré-temporada da equipa madeirense, o que lhe valeu um processo disciplinar e afastamento do plantel.

O processo negocial envolvendo os três clubes arrastou-se e a transferência acabou por não se efetivar nesse período, ficando o jogador mais uma época no Marítimo, antes de se transferir em definitivo para o FC Porto no início da presente temporada.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.