As conclusões foram comunicadas no final da assembleia-geral pelo presidente do Gil Vicente, António Fiúza, que considerou que “o futebol, os clubes e a própria Liga saíram em grande do encontro”.

“Foram vários os temas abordados, desde aspectos relacionados com a disciplina, arbitragem – esta com dois pontos irrelevantes – e falou-se ainda da situação dos 'stewards' serem ou não agentes desportivos”, disse.

A proposta apresentada pelo FC Porto, que era inversa ao da sua defesa nos casos de Hulk e Sapunaru, no sentido de conferir o estatuto de agentes desportivos aos “stewards”, esteve também em cima da mesa.

“Em princípio passam a ser agentes desportivos. As polémicas anteriores foram desnecessárias, porque houve aproveitamento desta situação, que não interessa nem aos clubes nem à Liga”, referiu António Fiúza.

O presidente gilista, improvisado porta-voz dos trabalhos da assembleia, referiu que para o êxito da reunião magna muito contribuíram as várias reuniões prévias preparatórias, de estudo e análise.

“Só assim foi possível que a assembleia-geral de hoje fosse positiva, rápida e frutífera. No fundo, os clubes votam todos a favor de alterações do interesse comum”, explicou o dirigente gilista.

Entre as propostas aprovadas de alteração aos regulamentos de competições, arbitragem e disciplinar encontra-se o agravamento do quadro disciplinar por agressões várias, quer a jogadores quer a espectadores.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.