O FC Porto manifestou hoje, em comunicado, «estranheza» por o Benfica anunciar publicamente que «a lei vai ser desrespeitada», ao impedir adeptos e claques portistas de entrarem no Estádio da Luz, domingo, com «adereços alusivos» ao clube.

Em resposta ao comunicado do Benfica, no qual os campeões nacionais de futebol avisam ir aplicar «o princípio de reciprocidade», o FC Porto lembra que «segundo o regime jurídico do combate à violência, à xenofobia e à intolerância nos espectáculos desportivos, apenas os grupos de adeptos legalizados podem ser alvo de apoio por parte dos clubes».

«Hoje mesmo, em entrevista ao um jornal desportivo, João Pestana, Chefe do Núcleo de Informações Policiais do Comando Metropolitano de Lisboa da Polícia de Segurança Pública, confirma que as claques do FC Porto estão devidamente legalizadas, enquanto as do Benfica continuam à margem da lei», refere o comunicado publicado no sítio do FC Porto.

O clube portista insiste que «impede adereços alusivos a claques ilegais, inclusivamente com símbolos de inspiração neo-nazi, mas permite todos os alusivos ao clube adversário, enquanto «o Benfica pretende impedir adereços alusivos às claques devidamente legalizadas, mas também ao próprio clube».

«Só mesmo no dia 01 de Abril se pode invocar o princípio de reciprocidade, quando estamos a comparar a legalidade com a ilegalidade», conclui o FC Porto.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.