Bruno Costa Carvalho, que começou por se apresentar como candidato a presidente do Benfica na Lista C, a qual acabou, depois, por não ir a votos ao retirar-se da corrida na véspera do ato eleitoral, fez nas redes sociais o balanço do mesmo.

Candidato derrotado em 2009 frente a Luís Filipe Vieira, Bruno Costa Carvalho reconhece que o presidente reeleito "saiu totalmente legitimado para os próximos quatro anos", mas aponta que "há coisas que precisam de mudar".

LEIA A PUBLICAÇÃO DE BRUNO COSTA CARVALHO NA ÍNTEGRA

"PARABÉNS AO BENFICA

Ontem foi um dia em que há um grande vencedor: o Sport Lisboa e Benfica.

Uma votação absolutamente histórica, nas condições mais difíceis imagináveis, no meio de uma pandemia, com risco de saúde para os votantes, com a exigência de cuidados extra que levou a muitos sócios terem de esperar mais de 3 horas para poderem expressar a sua escolha nas urnas.

Ganhou Luís Filipe Vieira que saiu totalmente legitimado para os próximos 4  anos. Teve claramente mais votos e mais votantes e eu desejo-lhe as maiores felicidades no próximo mandato.

Vieira tem, no entanto, de perceber que houve um forte sentimento de lhe indicar que há coisas que precisam de mudar e é importante que saiba unir o clube. Na minha opinião, deveria começar por propor, de imediato, uma revisão de estatutos.

O Presidente eleito que arrancará para o seu último mandato (segundo o próprio) tem essa grande liberdade de saber que não voltará a apresentar-se a mais nenhum sufrágio e tem a oportunidade de corrigir coisas que precisam de mudança.

Mas, mais importante de tudo é Vieira perceber que vem aí uma Superliga e pôr-nos na sua rota, custe o que custar. O Benfica não pode acordar numa segunda-divisão europeia. Vieira tem o projecto do Movimento TODOS P’LO BENFICA e poderá dele tirar ideias claras de como lá chegar.

Relativamente às duas outras listas que foram a votos, têm o meu total respeito.

João Noronha Lopes teve uma votação muito representativa e ficou com novas obrigações dentro do universo Benfiquista. Mas, também ele deve dar passos para a união do clube, evitando promover a sua balcanização.

Rui Gomes da Silva merece o meu respeito por ter lutado pelo que acreditava, mas parece-me que as suas ambições ficaram enterradas ontem. Rui Gomes da Silva que teve (e tem) mais holofotes da imprensa do que qualquer outro Benfiquista, e que começou a sua campanha altamente destrutiva há cerca de 2 anos, tem agora a responsabilidade de ter bom senso e, igualmente, promover a união do Sport Lisboa e Benfica.

Pelo meu lado, comecei a minha intervenção pública sobre o Benfica em 2008. Contribuí com dezenas ou centenas de ideias. Estive sempre atento. Critiquei, sugeri e apoiei, consoante achava ser o melhor para o Benfica. Foram 12 anos de contributos para o clube que amo. Acho que ninguém me pode pedir mais.
Por fim, uma nota pessoal. Devido a uma doença súbita, a minha mãe foi internada nos primeiros dias de Outubro e acabou por morrer anteontem, tendo o funeral sido ontem. A minha mãe era o meu mundo e a minha luz e, já agora, uma enorme Benfiquista.

Fiz uma campanha em condições que ninguém imagina e só consegui passar as ideias do nosso projecto graças aos membros do Movimento TODOS P’LO BENFICA que me agarraram, apoiaram, e nunca me deixaram cair, nuns dias em que as notícias que recebia do estado de saúde da minha querida mãe eram uma autêntica montanha russa.
Mesmo nestas condições, achei muito importante alertar os Benfiquistas para o enorme perigo que corremos com a nossa irrelevância europeia e ainda consegui ir votar, ao final da tarde, na Casa do Benfica do Porto.

Aproveito para agradecer publicamente ao Presidente Luís Filipe Vieira pelas mensagens que me enviou e por me ter expressado publicamente a sua solidariedade no pior momento da minha vida.

Todos p’lo Benfica."

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.