O treinador José Mourinho recordou na quinta-feira a sua passagem pelo FC Porto, considerando que se continuasse no clube após ser campeão europeu de futebol seria possível continuar a destacar-se internacionalmente.

“Se a equipa continuasse junta e melhorado algum tipo de dinâmicas, poderíamos continuar a fazer coisas...”, disse o técnico ao Porto Canal, recordando a passagem pelo Dragão de 2002 a 2004, bem como a anterior, enquanto adjunto de Bobby Robson.

O título europeu conquistado em 2004, com triunfo por 3-0 contra o Mónaco em Gelsenkirchen, foi o culminar da “obra prima” de José Mourinho, que foi “pegar uma equipa praticamente do zero”, revolucionando o grupo de trabalho e com Pinto da Costa “sem medo de arriscar” na sua contratação.

“Na minha carreira, foi o momento mais bonito por essa criação a partir do zero. Gosto de dizer que é nosso. Construímos todos juntos. Foi a nossa obra prima principal”, sublinhou.

Mourinho recordou outros feitos em distintos clubes, como permitir ao Inter ser novamente campeão da Europa meio século depois, porém, a passagem pela Invicta foi a mais marcante.

Apesar de ter sido campeão da Europa em 2004, ter vencido a Liga Europa em 2003 e sido campeão nas duas épocas completas, entre outros títulos, Mourinho recordou a forma menos cordial como foi recebido nas vezes em que voltou a jogar frente ao FC Porto.

“Acho que significo muito para o FC Porto. Quando regressei para jogar contra, se achava que merecia ser recebido de outra maneira? Não. Sabes porquê? Porque fui como adversário. E eu gosto dessa mentalidade. Quando estás num clube, estás lá para competir e ganhar. Dói-nos um bocadinho, porque vais com aquela sensação de ‘eu mereço mais’, mas acho que está certo", justificou.

Mourinho diz que é preciso “perceber” o FC Porto e a sua cultura, considerando que “chegar a dar o melhor” não é suficiente.

Das suas memórias, estão o jogo de “maior tensão” na sua carreira, no triunfo sobre o Celtic, por 3-2, após prolongamento, que em 2003 garantiu em Sevilha a Liga Europa.

“Não foi a maior vitória, não foi a maior alegria, mas em termos de intensidade de dizer ‘acabei o jogo e estou morto, aquele jogo acabou e estava morto’”, recorda.

E acrescentou: “Continua a ser o jogo de maior tensão na carreira. Já joguei três finais europeias, duas na ‘champions'. Conquistei muitos títulos, jogos de dimensão extra-terrestre…. Mas em termos de viver com tensão, intensidade, com emoção e tudo isso elevado aos limites, é aquele jogo.”

Mourinho elogiou Pinto da Costa – “sempre esteve adiantado no tempo em relação ao futebol, um exemplo de dirigismo” –, que tornou “muito fácil” a sua passagem pelo FC Porto.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.