Em conferência de imprensa de antevisão do clássico da 25ª jornada, na casa do Benfica, André Villas-Boas, que está a três pontos de selar a conquista do título de campeão nacional, mostrou-se um treinador tranquilo evitando euforias em torno do desafio com os rivais de Lisboa.

«Não é nenhuma obsessão em particular, o mais importante é a conquista do campeonato que queremos que aconteça o mais rápido possível. O sentimento dos adeptos é legítimo [em vencer na Luz], festejar na casa do rival terá um sabor diferente. O mais importante é conseguir o título o mas rápido possível», disse André Villas-Boas, esta sexta-feira, no auditório do Centro de Treinos e Formação Desportiva PortoGaia, no Olival.

«O mais importante para o FC Porto é distanciar-se o mais rápido possível. É inútil atribuir o título ao FC Porto se ainda não o conseguiu. Ainda não há nada feito, o Benfica ainda tem hipótese de ser campeão e sempre alimentou a hipótese de conseguir o título. Nós queremos manter o sonho do título e roubar ao campeão nacional», acrescentou.

O técnico do FC Porto disse que, em caso de vitória na Luz, o título será «festejado o mais normal possível».

«Faltam 90 minutos de um jogo de grande intensidade. Serão duas grandes organizações que fizeram duas grandes épocas. É um excelente desafio. Os clássicos são quentes por natureza, a rivalidade é assumida e cultural, sempre foi isso que manteve vivo o interesse por este campeonato. Espero um Benfica vivo porque é uma das equipas de topo da Europa, e que ainda alimenta o sonho da Liga Europa, campeonato nacional, Taça da Liga e Taça de Portugal. Nesse sentido espero um Benfica de topo com ambições de ser bicampeão nacional», sublinhou.

André Villas-Boas confessou que a equipa azul e branca treinou, esta sexta-feira de manhã, a «um nível completamente fora do normal» e acredita que Jorge Jesus fez o mesmo.

«O Benfica não se permitirá ao luxo de fazer o que fez com o jogo do Portimonense. Para eles, o FC Porto ser campeão na Luz tem um significado para eles, mas não sou ninguém para ditar as escolhas dele [Jorge Jesus]».

O técnico do FC Porto aproveitou ainda para comentar a atitude da direcção encarnada em proibir os adereços alusivos ao clube da cidade do Porto no dia do clássico.

«As nossas duas claques são legais. Se isso realmente vir a acontecer será a segunda pior decisão anti-futebol do Benfica, depois de ter pedido primeiro aos seus adeptos para não se deslocarem aos jogos fora de casa», frisou.

O duelo do ano, o Benfica - FC Porto, está marcado para este domingo às 20h30, e que, em caso de vitória, poderá levar os Dragões a sagrarem-se campeões nacionais 2010/2011 em pleno palco dos grandes rivais.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.