O regresso de Yacine Brahimi às boas exibições no FC Porto deixaram o selecionador da Argélia muito satisfeito e confiante na importância que o avançado irá ter na próxima edição da Taça das Nações Africanas. Em entrevista ao jornal O JOGO, Georges Leekens revelou que tem acompanhado a situação de Brahimi no FC Porto e que tem falado com o jogador ao longo dos últimos meses, mesmo quando não era hipótese para Nuno Espírito Santo.

"Acho que agora está mais confiante. Vi todos os jogos que ele fez, mesmo aqueles em que não jogou muito tempo, e fiquei muito satisfeito com as exibições dele. Já tinha notado isso quando defrontámos a Nigéria. Perdemos esse jogo, mas ele fez uma grande exibição. Foi uma grande injeção de confiança para ele, que é um jogador muito tecnicista e, ao mesmo tempo, muito sensível", afirmou Georges Leekens ao jornal O JOGO.

Em relação ao aspecto psicológico na recuperação de Brahimi no FC Porto, o selecionador da Argélia assumiu que teve um papel fundamental no regresso do avançado à equipa de Nuno Espírito Santo.

"Não só, mas essa parte foi fundamental. Antes, quando não jogava muito no FC Porto, ele hesitava um pouco. Depois que começou a jogar, voltou a ser aquele Brahimi que os adeptos do FC Porto e da seleção da Argélia gostam. Fiquei muito satisfeito por ver que ele soube aproveitar a oportunidade que o Nuno [Espírito Santo] lhe deu", disse Georges Leekens.

Questionado sobre que tipo de mensagem tentou passar a Brahimi durante o tempo em que não era sequer opção de Nuno Espírito Santo, o selecionador da Argélia fez uma curiosa afirmação.

"Tentei apenas transmitir-lhe o meu apoio. Disse-lhe para não ficar furioso e para não fazer coisas das quais se pudesse arrepender; coisas estúpidas. Para continuar a ser positivo, a ser profissional e para dar tudo nos treinos, porque a oportunidade dele acabaria por chegar novamente. E chegou. Mas não caiu do céu. De certeza que foi porque trabalhou. Quando um treinador confia em ti, tens de provar que tens valor. Sei que o Brahimi agora está feliz, a confiar mais nele e isso é bom. Às vezes tens períodos mais difíceis ao longo da carreira, mas acabas por sair mais forte dessas situações", frisou o selecionador da Argélia.

Sobre o fantástico golo de calcanhar de Brahimi frente ao Leicester para a Liga dos Campeões, Georges Leekens recordou outro argelino do FC Porto e não se mostrou supreendido porque na última vez que chamou Brahimi à seleção argelina sentiu o jogador portista 'com fome de bola'.

Foi como o do Madjer... [risos] O golo até nem foi o mais importante, mas sim a confiança que ele revelou naquele momento para desviar a bola de calcanhar. Quando ele veio pela última vez à seleção, vi que ele estava com "fome de bola" e que queria provar alguma coisa. Ele é um jogador de qualidade, mas precisa de confiança. Às vezes precisas de marcar um golo assim para acabar com as dúvidas e manter o pensamento positivo.

Se queres manter-te ao mais alto nível, tens de o fazer. Temos muitos bons jogadores, mas disse-lhe que precisávamos de jogadores de equipa e que a importância dele não era apenas quando tinha a bola nos pés. O processo defensivo começa nos jogadores mais atacantes, seja pressionando ou recuperando a bola, e ele tem feito esse trabalho. Normalmente um jogador tem a bola em seu poder um total de três minutos e é o que faz nos outros 87 que é muito importante. A forma como defendes, como te movimentas... Ele percebeu isso", sentenciou o selecionador da Argélia.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.