O antigo team-manager do Sporting, André Geraldes, reagiu à informação veiculada esta quarta-feira pelo jornal Correio da Manhã, de que o protocolo de 2017 assinado entre o clube de Alvalade e um clube de Cabo Verde terá servido como esquema de lavagem de dinheiro, e garantiu apenas que apenas deu início ao projeto.

"Soube inicialmente do projeto mas não tive intervenção a partir daí. Que verifiquem quem assinou e autorizou o protocolo", afirmou André Geraldes ao Correio da Manhã.

Já Carlos Vieira, ex-vice presidente do Sporting, reconheceu ter participado na assinatura do protocolo, mas garantiu que todo o processo foi conduzido por Bruno de Carvalho e André Geraldes.

"Assinei o contrato com o Batuque FC. Um dos objetivos era ter informação local de jogadores jovens. Quem avançou foram Bruno de Carvalho e André Geraldes, em sintonia com o departamento de scouting. Se não fossem esses jogadores seriam outros. Há ainda outra cláusula: o Batuque podia comprar um jogador a outro clube e esse jogador vir para o Sporting", frisou Carlos Vieira.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.