«Não gostei da Naval da primeira parte. Nos primeiros 10 minutos, estivemos bem, mas, à medida que o tempo foi avançando, os nossos alas, principalmente o Camora, recuaram muito e isso permitiu ao F.C. Porto subir no terreno e colocar-nos muitos problemas. Na segunda parte demos outra imagem. Temos uma grande oportunidade para empatar e o F.C. Porto faz, de seguida, o segundo golo, novamente de bola parada. Gostei mais da equipa da segunda parte pela coragem e pelo querer discutir o jogo”, analisou Augusto Inácio.

Sobre a ausência do avançado e melhor marcador da equipa, Kerrouche, o técnico afirma que o deixou de fora apenas e só por opção técnica: “O Kerrouche não vem por opção, tenho um leque de opções maior e escolhi os melhores para este jogo. Durante a semana vamos ver como corre o trabalho e quem merece ser chamado para o próximo encontro”.

No seu plantel, Augusto Inácio conta com um jogador que está sob alçada disciplinar do clube: Baradji. Sobre este caso, o técnico diz que os problemas não vêm de agora e o jogador tem de perceber que tem de cumprir os seus compromissos profissionais: “É um jogador que tem alguns problemas, não é de agora. Não sei se está a ser bem aconselhado ou mal aconselhado. O conselho que eu lhe dei, e sei que entrou por um ouvido e saiu por outro, é que ele é profissional da Naval e tem de cumprir com o clube, vindo aos treinos. Mas o Departamento Jurídico já está a resolver essa situação”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.