O treinador do Sporting não ficou indiferente à 10ª posição que ocupa na lista de melhores técnicos elaborada pela revista 'Four-Four-Two', e em declarações ao canal do clube de Alvalade mostrou-se satisfeito pelo reconhecimento de uma carreira que já vai longa e feita de muitos progressos.

"Sei o meu valor. Sei que tenho sido importante, não só para os clubes onde trabalho, mas também para criar ideias novas para o futebol. Esta distinção dá-me algum prestígio, porque valoriza a minha carreira, que ainda tem muito para conquistar", afirmou Jorge Jesus.

"É claro que me sinto satisfeito. Não é a primeira vez que a 'Four Four Two' me coloca entre os melhores treinadores do mundo. O ano passado era 15.º, agora passei para 10.º. Cada vez mais a responsabilidade é maior", atirou o técnico leonino sobre a sua evolução na lista de melhores treinadores do mundo.

"Não direi que estou a meio, mas ainda faltam muitos anos para a minha carreira terminar. Cada vez quero ser melhor. Essa é a minha responsabilidade", frisou Jorge Jesus.

"Este prémio é sinonimo da forma como eu treino. O treinador é um pouco como o jogador. Para ser treinador tem que ter arte, cada um cria a sua. Criei vários momentos do que é a estratégia de jogo que há 20 anos não existiam e hoje toda a gente os faz. Pelo menos de bola parada. Exemplo disso são os jogadores que trabalham comigo. Eles dizem que sou diferente: eu sei que sou diferente. Isto é arte", sentenciou o treinador, de 62 anos, sobre o assunto.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.