O treinador do Paços de Ferreira considerou esta sexta-feira a receção de sábado ao Sporting, na 19ª jornada da I Liga de futebol, como mais uma oportunidade para tirar pontos ao líder.

Jorge Simão, que falava na conferência de antevisão ao jogo com o Sporting, revelou ter consultado pela primeira vez as probabilidades das casas de apostas sobre o jogo na Capital do Móvel, considerando que o Paços tem de se agarrar aos 25 por cento de favoritismo que lhe é atribuído, contra 60 do líder do campeonato.

"Consultei pela primeira vez as casas de apostas para ver as ‘odds’ a nosso favor e verifiquei que nos dão 25 por cento e 60 ao Sporting. É a isso que temos de nos agarrar. Outro aspeto curioso é que elas [casas de apostas] estudam realmente as estatísticas e dizem que há forte probabilidade de haver golos", disse o técnico pacense.

O técnico aproveitou esta ideia para lembrar que "o Paços foi a primeira equipa a ‘roubar’ pontos ao Sporting [1-1 em Alvalade, na primeira volta]", esperando que a condição de visitado e os 25 por cento de favoritismo atribuídos nos sites de apostas funcione como "uma oportunidade de tirar mais pontos [ao Sporting]".

"O Benfica acaba o seu jogo [receção ao Arouca] antes de o nosso começar, mas não acredito que isso vá ter qualquer influência. O Sporting é favorito, está na liderança e, por isso, justifica o estatuto de melhor equipa até ao momento. Espero, por isso, um Sporting na linha do que tem vindo a fazer. Os dados estão lançados", sublinhou, sem se alongar no tema.

Para o técnico, "muito do segredo do jogo passará pela capacidade de surpreender o adversário", mas recusou entrar em pormenores, assim como também não comentou as pressões dos dirigentes do Sporting às arbitragens, contestadas esta semana pelo líder pacense.

"É demasiada ousadia interferir nesse tipo de situação. Nem em casos de colegas [treinadores] o faria, muito menos em situações envolvendo dirigentes", disse Jorge Simão.

Jorge Simão aproveitou o momento para dizer não recear a arbitragem de Artur Soares Dias no encontro de sábado e, ao mesmo tempo, pediu "igualdade de tratamento", exemplificando com a sua expulsão em Arouca, a meio da semana, para a Taça da Liga, que o afastará do banco de suplentes diante do Sporting.

"Faz todo o sentido que os agentes [desportivos] se conheçam de uma forma que o grau de tolerância seja igual. O meu comportamento [em Arouca] foi reincidente, mas vejo isto acontecer noutros estádios com outros colegas e eles não são expulsos. Gesticulo, berro, mas jamais digo qualquer impropério", esclareceu.

Face a esta expulsão, Jorge Simão estará impedido de seguir o jogo no banco de suplentes, o que considerou um facto estranho apenas para si, tendo em conta que "cada um deles [jogadores] sabe o que tem de fazer".

"Este jogo será uma oportunidade para mostrarmos que merecemos a pontuação que temos. A nossa luta é pontual e não classificativa, independentemente de sermos quintos, quartos ou sextos", acrescentou, terminando a sua intervenção enaltecendo a convocação do repetente Diogo Jota e do estreante Bruno Sousa aos trabalhos da seleção de sub-20.

O Paços de Ferreira, quinto classificado, com 29 pontos, defronta o líder Sporting, com 45, no Estádio Capital do Móvel, no sábado, às 20h45, num jogo que terá arbitragem de Artur Soares Dias, da Associação de Futebol do Porto.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.